Como será o futuro das memórias

É uma tendência imparável, pegar em reconhecidos e falecidos personagens para lhes dar uma nova vivência digital. Mas qual será o impacto destas re-animações digitais?

No ano passado, a Nvidia fez isso para as imagens com o sistema GauGAN, gerando paisagens realistas, enquanto Daniel Voshart dinamizou o ArtBreeder com uma colecção de imagens diversificadas e agrupadas em cinco grande temas.

No lado mais humano, investigadores deram voz ao padre Nesyamun, uma múmia egípcia com 3.000 anos.

Um monge medieval foi re-animado pelo Face Lab, um centro de investigação na John Moores University em Liverpool, onde já renasceram Bach, Ricardo III ou Arsinoe, a irmã de Cleopatra. E os imperadores romanos já viram a sua cara conhecida pelo público actual.

E a actriz Audrey Hepburn foi integrada num anúncio comercial.

Jay-Z cantou o que não queria e Rasputine adaptou-se a Beyoncé.

E é tudo legal, como refere o Future Today Institute. “Actualmente, não há leis ou regulamentos que impeçam alguém de reanimar outro digitalmente após a sua morte. Tecnicamente, a Samsung usou Rasputine para fins de investigação e publicou um artigo e um vídeo para demonstrar o seu trabalho – mas certamente funcionou como marketing. Em breve precisaremos de confrontar as modernas questões éticas e filosóficas sobre a vida após a morte. A reanimação digital pode ser usada para alterar as percepções das gerações futuras sobre nós? Pode ser usada para contar histórias pessoais alternativas? Pode contaminar os legados que pretendemos deixar?”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.