O corpo humano pode ser usado no “trabalho biológico” para gerar energia utilizada para “minerar” bitcoins – e não, não é no sentido de o fazer com papel e lápis

“Os dados gerados pelos humanos são um recurso já extraído por empresas como a Google e o Facebook produzindo grandes quantidades de capital. Porque não estamos nós, os trabalhadores dos dados, a capitalizar com eles”, em troca de um rendimento básico de dados (“Data Basic Income“)?

A questão e a resposta foram feitas pelo Institute of Human Obsolescence (IoHO), que procura “re-posicionar o papel dos humanos, particularmente em como lidar com um mercado de trabalho dominado por máquinas”.

Num projecto entre o artístico e o conceptual, o IoHO colocou 37 voluntários a “trabalhar”, com o seu corpo humano em descanso, para gerar energia que produziu 16.594 bitcoins. Isto passou por criar “um fato que utiliza geradores termoeléctricos para armazenar o calor do corpo – e converte esse calor em electricidade utilizável” para gerar os bitcoins.