Mondragón: uma das maiores empresas de Espanha pertence aos trabalhadores

A Mondragón, na região basca espanhola, é a maior cooperativa do mundo e uma das empresas mais bem-sucedidas da Espanha. Os trabalhadores da Mondragón são donos da sua empresa e tomam as suas próprias decisões. Actualmente, a Mondragón não é apenas um actor global numa ampla gama de indústrias mas também um modelo para aqueles que desejam levar a democracia e a solidariedade à vida económica.

Quando pensamos nas cooperativas em geral vêm à mente as cooperativas habitacionais ou, nas áreas rurais, as cooperativas de pastagem: pequenas estruturas que desempenham um papel subordinado na vida económica. É uma história completamente diferente na região basca espanhola, onde a cooperativa Mondragón é a empresa mais bem-sucedida e o maior empregador da região. Mas há mais: a Mondragón não é apenas uma das maiores empresas em toda a Espanha. As filiais em 31 países diferentes e mais de 80 mil funcionários fazem dela a maior cooperativa do mundo.

O nascimento da cooperativa
A história de Mondragón começa após a Guerra Civil Espanhola. Na época, a pequena cidade era atormentada pelo desemprego em massa e pela pobreza. O padre de Mondragón, José María Arizmendiarrieta, queria ajudar a sua comunidade a sair das dificuldades económicas. Com os habitantes da cidade, fundou uma escola profissional. Os formados da escola fundaram as primeiras cooperativas da cidade. Logo depois, esses membros da cooperativa fundaram uma instituição de crédito para apoiar o trabalho das cooperativas – e para ajudar a financiar novas cooperativas.

Nos anos seguintes, a Mondragón cresceu de forma constante. Apenas sete anos após a sua fundação, mais de 20 cooperativas faziam parte da Mondragón. Além disso, as cooperativas espalharam-se por cada vez mais indústrias: a primeira produzia principalmente electrodomésticos. Em breve, a Mondragón também se tornou activa na engenharia mecânica, finanças, retalho e construção. Um dos projectos de prestígio da cooperativa foi a construção do telhado do famoso Museu Guggenheim em Bilbau.

O princípio da Mondragón
A receita de Mondragón para o sucesso? Os funcionários gerem a empresa sozinhos. Em vez de pertencer a accionistas ou bilionários, os funcionários da Mondragón são donos da empresa e tomam as suas próprias decisões. Os lucros da empresa não são pagos em nenhuma conta offshore para fugas fiscais. Eles vão para aqueles que obtiveram os lucros: os trabalhadores.

Essa democracia económica ocorre em todos os níveis da Mondragón. Reuniões regulares são realizadas nas próprias cooperativas, onde são tomadas decisões sobre investimentos futuros, utilização dos lucros e assuntos semelhantes. Além disso, cada cooperativa envia delegados à assembleia geral da rede Mondragón, onde são decididas as principais questões estratégicas da rede. Isso não apenas garante que as cooperativas são geridas no interesse dos seus funcionários, mas também que todos os funcionários têm um forte vínculo com a Mondragón.

Gestão baseada na solidariedade
Além da co-determinação em todos os níveis, é a solidariedade viva que faz com que a Mondragón seja tão bem-sucedida, algo reflectido na diferença salarial. Enquanto outras empresas costumam pagar salários astronómicos aos seus gestores, a cooperativa basca é diferente. O presidente da Mondragón ganha apenas seis vezes o salário mais baixo da cooperativa. Além disso, os grupos de salários mais baixos ganham muito mais do que a média regional, enquanto a gestão tem de se contentar com menos do que os seus colegas de outras empresas. A força de trabalho recompensa essa justiça salarial: por exemplo, a taxa de absentismo é metade da mais baixa nas empresas comuns e a produtividade é 8% maior.

Mas a solidariedade também é praticada entre as diferentes sub-cooperativas da Mondragón. Se uma das cooperativas entra em dificuldades financeiras, geralmente recebe subsídios da associação cooperativa para se estabilizar. Além disso, os funcionários da cooperativa podem decidir sobre cortes salariais temporários para reestruturar a cooperativa. Se todas essas medidas não ajudarem e uma cooperativa falir, os seus funcionários não serão postos na rua. Na medida do possível, outras cooperativas assumem esses funcionários nos seus próprios negócios.

A actual Mondragón
Actualmente, a Mondragón consiste em quase 100 sub-cooperativas diferentes e emprega mais de 80 mil pessoas. As actividades económicas não são apenas apoiadas pelo seu próprio banco, mas também pela investigação e por melhorias contínuas. A cooperativa possui 15 centros de inovação e, desde 1997, tem uma universidade própria com quase 5.000 estudantes.

O sucesso da Mondragón mostra que uma empresa pode basear-se em solidariedade, democracia e altos salários – e permanecer internacionalmente bem-sucedida. A liderança da associação cooperativa é clara: “o nosso objectivo final é aumentar a riqueza da população, criando e mantendo empregos”, refere Mikel Lezamiz, responsável de Difusión Cooperativo da Mondragón.

A Mondragón como modelo
A cooperativa da região basca é agora um modelo para empresas e governos em todo o mundo. Um exemplo é Cleveland (EUA). No passado, Cleveland era uma cidade industrial florescente. No entanto, como resultado da desindustrialização em grandes partes do país, muitas das fábricas em Cleveland fecharam.

Mas o povo de Cleveland não aceitou essa situação de forma simples. Assumiram o sucesso das cooperativas da Mondragón como modelo e criaram um plano económico urbano com cooperativas e produção local no seu centro. Hoje, Cleveland floresce novamente, graças à inspiração do País Basco. As cooperativas em Cleveland operam a maior central de energia solar dos EUA, bem como o maior sistema de estufas.

A adopção do modelo Mondragón também já começou em Inglaterra. A cidade de Preston, no norte da Inglaterra, tem uma história semelhante a Cleveland; costumava ser uma cidade industrial vibrante mas a desindustrialização atingiu-a fortemente.

Tal como Cleveland, um plano económico local baseado em cooperativas mudou a maré. Hoje, o chamado modelo Preston é uma parte oficial do programa económico do Partido Trabalhista britânico.

* Texto de Thomas Hackl/Kontrast.at, publicado com licença CC BY-SA 4.0. Fotografia e imagem: Mondragón Corporation. Foto do Guggenheim de Bilbao por Jorge Fernández Salas on Unsplash.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.