Recomendações para identificar informações falsas sobre a pandemia

A pandemia do Covid-19 foi acompanhada por uma onda de informações não fiáveis ​​sobre o vírus. Assim, como sabemos em quem e no que acreditar?

“Infodemiologia” – estudar o dilúvio de informações sobre a pandemia e como geri-la – é algo em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) deseja que todos nos tornemos bastante conhecedores. E planeou algumas recomendações simples para ajudar a decidir no que podemos e no que não podemos confiar.

information fake news infodemic Coronavirus china virus health healthcare who world health organization disease deaths pandemic epidemic worries concerns Health virus contagious contagion viruses diseases disease lab laboratory doctor health dr nurse medical medicine drugs vaccines vaccinations inoculations technology testing test medicinal biotechnology biotech biology chemistry physics microscope research influenza flu cold common cold bug risk symptomes respiratory china iran italy europe asia america south america north washing hands wash hands coughs sneezes spread spreading precaution precautions health warning covid 19 cov SARS 2019ncov wuhan sarscow wuhanpneumonia  pneumonia outbreak patients unhealthy fatality mortality elderly old elder age serious death deathly deadly

Quer se trate de desinformação no sentido de informação falsa que não foi criada com a intenção de magoar os outros ou de informação falsa criada com a intenção de lucrar ou causar danos, a OMS diz que se espalha como um vírus, passando de pessoa para pessoa.

Desde o início da pandemia, houve um aumento de informações falsas, explorando os medos e as ansiedades das pessoas em relação ao Covid-19, de acordo com uma análise da PwC. Isso varia de falsas curas a teorias da conspiração sobre o vírus.

Para ajudar a deter a “infodemia”, a OMS sugere a aplicação destes testes para qualquer informação que se ouça ou leia sobre o Covid-19.
1. Avalie a fonte
Quem passou a informação e de onde a obteve? Verifique sempre as suas fontes; não acredite na palavra delas, mesmo que sejam de familiares ou de amigos. Verifique há quanto tempo os perfis de media social estão activos, o seu número de seguidores e os seus textos (“posts”) mais recentes. No caso dos sites, procure informações do histórico e detalhes de contacto legítimos. Outros sinais de que uma fonte online não é fiável incluem erros de ortografia, muitas letras maiúsculas e pontos de exclamação.

2. Vá para lá das manchetes
Não se deixe influenciar apenas pelas manchetes – leia a história inteira e use fontes de media não social, como jornais, podcasts e sites de notícias para verificar a veracidade de uma manchete. “Diversificar as suas fontes permite que tenha uma imagem melhor do que é confiável”, diz a OMS.

3. Identifique o autor
Pesquise online o nome do autor para ver se +e real ou confiável. Se afirma ser um profissional, verifique o seu perfil no LinkedIn. Se disser que é um académico, procure no site da instituição a que ele diz pertencer.

4. Verifique a data
A OMS considera que deve sempre fazer estas perguntas ao deparar-se com informações: Esta é uma história recente? Está actualizada e é relevante para os eventos actuais? Tem um título, imagem ou estatística que foi usada fora de contexto?

information fake news infodemic Coronavirus china virus health healthcare who world health organization disease deaths pandemic epidemic worries concerns Health virus contagious contagion viruses diseases disease lab laboratory doctor health dr nurse medical medicine drugs vaccines vaccinations inoculations technology testing test medicinal biotechnology biotech biology chemistry physics microscope research influenza flu cold common cold bug risk symptomes respiratory china iran italy europe asia america south america north washing hands wash hands coughs sneezes spread spreading precaution precautions health warning covid 19 cov SARS 2019ncov wuhan sarscow wuhanpneumonia  pneumonia outbreak patients unhealthy fatality mortality elderly old elder age serious death deathly deadly

5. Examine as evidências de apoio
Histórias fiáveis ​​fornecem os seus factos, incluindo citações de especialistas ou ligações para estatísticas ou estudos. Verifique se os especialistas são fiáveis ​​pesquisando-os online e siga as hiperligações para verificar se eles realmente sustentam a história.

6. Verifique os seus enviesamentos
Os nossos preconceitos pessoais moldam a forma como vemos o mundo. Pergunte-se porque foi atraído para uma determinada manchete ou história. Como reagiu a essa história e porquê?

7. Recorra aos verificadores de factos
Existem mais de 300 organizações de verificação de factos em 84 países, de acordo com a Duke University, muitas das quais são membros da International Fact-Checking Network. Meios de comunicação globais que usam verificadores de factos incluem a Associated Press e a Reuters, por exemplo.

* Texto de Douglas Broom publicado no World Economic Forum. Reproduzido sob licença Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International. Foto: Nik Anderson (CC BY 2.0)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.