Facebook, uma nova Okhrana?

O modo de operação da polícia secreta soviética Okhrana pode ter enormes semelhanças com as novas redes sociais mas tem uma diferença abismal: agora, os vigiados são quem fornece informações e fotografias de onde estão ou do que fazem.

A Okhrana “foi a força policial secreta do Império Russo no final do século XIX e início do século XX. Foi um precursor da KGB, criada para proteger o czar de terroristas e revolucionários”.

Inovadora, usou técnicas de impressões digitais ou escutas telefónicas. Os agentes actuavam disfarçados e pretendiam desvendar “crimes políticos” antes de serem cometidos.

“Também adoptou a Big Data” ou, mais correctamente, “um precursor analógico da Big Data” para registar e compilar os detalhes da vida pessoal. “Tudo o que pudessem recolher por meio da vigilância e qualquer outro método era apresentado em diagramas complexos. O sujeito estava sentado no centro desse diagrama, com uma rede de linhas coloridas ilustrando as suas relações com outros. As linhas verdes indicavam alguém com quem o sujeito estava em contacto directo. Os círculos amarelos indicavam a família. As linhas castanhas ligavam a amigos e conhecidos. As linhas vermelhas indicavam as ligações políticas”.

Image for post

Estas bases de dados gráficas possibilitavam ver em formato visual as interligações entre pessoas – tal como sucede hoje, sendo o Facebook a empresa que aproveita ao máximo estas bases de dados gráficos.

O arquivo da Okhrana integra ficheiros, fotos e até alguns negativos de estúdios fotográficos que os entregavam à polícia. A Okhrana usava estas imagens de revolucionários importantes para as integrar em álbuns para uso como referência e materiais de formação e reconhecimento.

Foram registados muitos dos revolucionários russos mais procurados nas décadas anteriores à queda dos Romanovs em 1917. Em simultâneo, o arquivo “ilumina as estratégias de vigilância do governo czarista“, com delegações nos centros industriais de São Petersburgo, Moscovo e Varsóvia.

Se estes conjuntos de dados pessoais serviam na vigilância política para os czares, actualmente são utilizados para vender publicidade – embora possam ter impactos políticos: as Nações Unidas alertaram como o uso do Facebook teve um “papel determinante” na perseguição dos muçulmanos Rohingya em Myanmar.

Para contextualizar o impacto das redes sociais, o facto de entregar “documentos incendiários aos meios de comunicação social” ou “infiltrar-se em grupos activistas” foram apenas algumas das tácticas usadas pela desinformação soviética em 1983. Quando não existiam redes sociais.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.