Uma política digital para o distanciamento físico

A pandemia do COVID-19 revelou lacunas na prontidão digital da sociedade para o distanciamento social. Se os decisores políticos aproveitarem a oportunidade para abordar essas lacunas, poderão facilitar a gestão da próxima pandemia, ao mesmo tempo em que proporcionam benefícios sociais e económicos significativos a longo prazo.

Principais Resultados
O progresso contínuo da tecnologia digital torna os mandatos de distanciamento social mais viáveis ​​e menos onerosos. Mas existem grandes lacunas que os decisores políticos devem abordar para tornar o processo ainda mais fácil.

Para maximizar a prontidão digital da sociedade, estes decisores precisam de limpar o ambiente regulatório que limita as funções digitais remotas e automatizadas numa ampla variedade de indústrias, da saúde e retalho à educação e ao transporte.

Os governos devem apoiar o desenvolvimento de plataformas digitais fundamentais, incluindo banda larga universal, 5G, IDs digitais, registos electrónicos de saúde, sistemas de Big Data e pagamentos móveis.

Os governos devem aumentar o financiamento para estimular o desenvolvimento e a adopção de tecnologias essenciais para permitir uma produção mais eficiente e flexível, incluindo robótica, veículos autónomos, impressão 3D, IA, blockchain, IoT e reconhecimento facial.

Os governos devem apoiar a transformação digital para as actividades remotas em sectores-chave, incluindo educação, governo, saúde, transporte, retalho e manufacturação.

O Congresso e a administração norte-americana devem garantir que o quarto pacote de estímulos inclui um grande impulso para aumentar a resiliência digital e preparar-se melhor para futuras pandemias.

Introdução
Não é claro se o COVID-19 é um evento raro a cada 100 anos ou o novo normal. Independentemente disso, os decisores políticos devem agir com cautela e como se fosse o último caso, especialmente se a resposta colher benefícios, independentemente de se enfrentar outra pandemia que exige distanciamento físico amplo e sustentado.

Enquanto a globalização e as viagens em massa contribuíram para a disseminação do COVID-19, o progresso da tecnologia digital tornou mais fácil manter efectivamente uma distância física. Mas o actual exercício de distanciamento físico em que a maioria das nações está envolvida expôs importantes lacunas na prontidão digital das sociedades. Se os decisores políticos aproveitarem a oportunidade para resolver essas lacunas, facilitarão o mundo para gerir a próxima pandemia (que esperamos que não seja em breve), enquanto fornecem benefícios sociais e económicos significativos. Para esse fim, este documento identifica as principais etapas que os decisores políticos podem tomar não apenas para melhor apoiar o distanciamento físico capacitado digitalmente, mas também para estimular a automação baseada em tecnologia para tornar as cadeias de fornecimentos e os sistemas de transporte que servem como principais artérias da economia mais resiliente. Identificámos três áreas principais para a acção política: apoiar as plataformas tecnológicas fundacionais, apoiar o avanço direccionado da tecnologia e permitir um maior uso da tecnologia digital em sectores-chave.

Em 1997, Francis Caincross escreveu um livro influente, “The Death of Distance”, que narrava e previa como a Internet permitiria a pessoas e organizações comunicarem à distância de maneira mais eficaz. Hoje, com distanciamento físico obrigatório, um título mais actualizado seria “The Creation of Distance”, já que a Internet especificamente – e a tecnologia da informação e das comunicações em geral – desempenha um papel crítico ao permitir que a sociedade funciona de forma mais eficaz com menor contacto face-a-face directo, seja trabalhando e aprendendo em casa, comprando online ou passando o tempo em casa, ou mais facilmente passando o tempo em casa com streaming de vídeo, a ler e-books, enviar mensagens para amigos, fazer aulas de ginástica online, etc. Para ser claro, mesmo na pior pandemia ainda será necessário algum contacto face-a-face, nem que seja apenas para tratamento médico e outras funções importantes. Mas a tecnologia progrediu – e continua a progredir – para tornar o distanciamento físico mais tolerável, eficaz e menos dispendioso. No entanto, ainda existem grandes lacunas e oportunidades para facilitar isso ainda mais. Para maximizar a prontidão digital da sociedade, os decisores políticos devem fazer duas coisas principais. A primeiro é varrer – e afastar – o ambiente regulatório que limita as funções digitais remotas e automatizadas numa ampla variedade de indústrias, da saúde e retalho à educação e transporte. O segundo é apoiar activamente o desenvolvimento de plataformas digitais essenciais, como a banda larga universal e os IDs digitais, e tecnologias-chave, como veículos autónomos (AVs), além de apoiar a transformação digital em muitos sectores, incluindo o governo e a saúde.

A transformação digital permite actividades mais remotas, tornando o distanciamento físico mais provável e mais produtivo. Ao mesmo tempo, a tecnologia oferece o potencial de produzir determinados produtos com menos trabalhadores, permitir mais resiliência nas cadeias de fornecimentos e reduzir o “trade-off” entre proteger a saúde e a economia.

O Congresso e o governo adoptaram acções ousadas ao aprovar um pacote de assistência de 2,2 mil biliões de dólares que se concentra correctamente na crise imediata para ajudar a economia, as empresas e os indivíduos. Como o Congresso está a considerar outro pacote de ajuda, o seu foco deve estar em actividades que possam servir dois objectivos principais: estimular a recuperação económica nos próximos 18 meses e, em simultâneo, tornar a economia dos EUA mais resistente e mais capaz de gerir uma crise como esta novamente. As seguintes propostas servem esses dois objectivos.

Plataformas Digitais
Infra-estrutura de banda larga universal: o governo federal dos EUA deve garantir que praticamente todos têm banda larga adequada para trabalhar e estudar em casa.

Desenvolvimento robusto da 5G: os governos devem trabalhar para acelerar uma ampla implantação da plataforma móvel de próxima geração.

Adopção universal da banda larga: o governo federal, em coordenação com as autoridades estaduais e locais, deve trabalhar para aumentar a adopção, incluindo através da expansão do programa Lifeline da Federal Communications Commission (FCC).

Realidade virtual e aumentada: o governo dos EUA deve apoiar o desenvolvimento das tecnologias de RV e RA, adoptando essas tecnologias sempre que apropriado.

IDs electrónicos: o governo deve oferecer identificação electrónica segura a qualquer residente dos EUA que desejar uma, permitindo actividades online, à distância.

Pagamentos móveis e remotos: o Congresso deve acelerar a adopção da tecnologia de pagamento móvel normalizando as regulamentações bancárias ao nível nacional, adoptando medidas de protecção regulatórias para a fintech para incentivar novos serviços e permitir opções de pagamento móvel para serviços governamentais, como no trânsito.

Regulação da privacidade: o Congresso deve aprovar legislação para criar uma estrutura nacional de privacidade de dados que permita às organizações partilhar informações de identificação pessoal com as autoridades governamentais e investigadores qualificados durante pandemias para fins de saúde pública.

Registos electrónicos de saúde: o Congresso deve estabelecer novos padrões mínimos para sistemas de registo electrónico de saúde (EHR, de “electronic health record”) que integrem novos requisitos de recolha de dados, relatórios e interoperabilidade para atender às necessidades dos funcionários da saúde pública durante uma pandemia.

Dados: o Congresso deve estabelecer uma “task force” para os dados pandémicos para identificar lacunas importantes na infra-estrutura nacional de dados que possam prejudicar respostas futuras, como a falta de normas entre os sistemas estaduais de tecnologia da informação (TI).

Desenvolvimento Tecnológico
Robótica: o governo federal dos EUA deve lançar um programa semelhante ao Apollo para acelerar drasticamente o desenvolvimento robótico, investindo 5 mil milhões de dólares por ano em investigação e desenvolvimento (I&D).

Impressão 3D: o governo deve expandir significativamente o financiamento para o desenvolvimento da impressão em 3D e tecnologias relacionadas que proporcionem mais flexibilidade ao fabrico nos EUA, permitindo transferir mais facilmente a produção de bens necessários em emergências nacionais.

Inteligência artificial: a Casa Branca deve estabelecer uma “task force” de partes interessadas comerciais, académicas e governamentais para identificar e expandir as oportunidades de usar a IA para o distanciamento físico.

Internet das Coisas: o Congresso deve desenvolver e financiar um programa de cidades “inteligentes” globalmente competitivo e uma estratégia nacional da Internet das Coisas (IoT).

Blockchain: o Congresso deve financiar um programa de projectos-piloto de blockchain governamental para expandir o número de iniciativas de blockchain nos níveis local, estadual e federal.

Reconhecimento facial e outras biometrias sem contacto: o Congresso deve exigir que todas as agências governamentais usem biometria sem contacto, como reconhecimento facial, sempre que possível.

Transformação Sectorial Digital
K-12 [5-18 anos] e acesso universal a dispositivos de computação: o governo deve garantir que as crianças têm as ferramentas necessárias para realizar trabalhos escolares em casa durante os períodos de distanciamento físico.

Faculdades e universidades: o Congresso deve estabelecer um processo para credenciar organizações que fornecem certificações, incentivar agências federais a aceitar certificações alternativas em vez de requerimentos de graduação e permitir que os alunos usem a ajuda federal para opções alternativas de aprendizagem, como os MOOCs (cursos online abertos em massa).

Teletrabalho: todos os níveis de governo – local, estadual e federal – devem desenvolver e implementar políticas que permitam a generalização do teletrabalho.

Fábricas inteligentes: o governo federal deve lançar um Manufacturing Digitalization Investment Fund, no valor de 500 milhões de dólares, para acelerar drasticamente a transformação da base de manufacturação dos EUA em fábricas mais inteligentes.

Veículos autónomos: o governo federal deve trabalhar com os estados para coordenar e optimizar abordagens regulatórias para o teste e a implantação de AVs, acelerar a sua adoção mais generalizada e proibir esforços estaduais para os proibir.

Comboios de carga autónomos e semi-autónomos: a Federal Railroad Administration (FRA) deve continuar a permitir que as empresas de transporte ferroviário de carga passem para comboios de uma pessoa, impedindo os estados de mandatar equipas de duas pessoas (que sete já fizeram) e, finalmente, trabalhar para permitir comboios de carga totalmente autónomos, desde que demonstrem uma necessária segurança.

Robôs urbanos de entregas: os governos devem facilitar o uso de dispositivos de entrega autónomos.

Votação acessível: o Congresso deve exigir que os estados forneçam voto universal sem absentismo.

Governo electrónico: estabelecer um mandato de teletrabalho e entrega de serviços remotos para os governos federal, estadual e local e fornecer financiamento suficiente para permitir essa transformação.

Assistência médica: o Congresso deve estabelecer uma licença nacional para a telesaúde que todos os estados devem aceitar e exigir que as seguradoras cubram os tratamentos de telesaúde.

Drones: a Federal Aviation Administration (FAA) deve acelerar os seus esforços para rever os pedidos de serviços comerciais de entrega por drones e trabalhar com o sector privado para permitir a entrega residencial até 2021.

Capacitar o comércio electrónico: os decisores políticos locais, estaduais e federais devem resistir às tentativas de lobby de interesses especiais para que o governo limite as opções de auto-atendimento no retalho.

Lojas sem dinheiro: os governos estaduais e locais devem anular todas as proibições para lojas sem dinheiro.

Conclusão
John F. Kennedy afirmou: “quando escrita em chinês, a palavra ‘crise’ é composta por dois caracteres. Um representa perigo e o outro representa oportunidade”. De facto, com muita frequência, é necessária uma crise para galvanizar os decisores políticos para a acção. O Sputnik estimulou o investimento maciço dos EUA em inovação tecnológica na década de 1950. O 11 de Setembro foi um alerta para proteger as fronteiras e os sistemas de transporte americanos e aumentar as capacidades de inteligência dos EUA. Não há dúvida de que o COVID-19 também servirá como uma advertência, pelo menos para a necessidade de fortalecer e tornar mais resilientes os nossos sistemas públicos de saúde. Mas também deve ser um aviso para fortalecer e tornar mais resistentes os sistemas e sectores dos EUA através do aumento e do melhor uso da tecnologia para permitir um distanciamento físico mais produtivo e aumentar a produtividade e a flexibilidade dos principais sistemas produtivos, incluindo o transporte e a manufacturação. Claramente, é necessário um apoio adicional aos sistemas de saúde pública e ao desenvolvimento de medicamentos. Mas também o suporte à transformação digital.

Alguns argumentam que não precisamos de fazer isso ou que não se consegue pagar por elas. Dado que o Congresso acaba de se apropriar de mais de 2,2 mil biliões de dólares para esforços de assistência, a soma das iniciativas propostas aqui é significativamente menos cara. Mais importante, esses investimentos teriam o benefício adicional de impulsionar o crescimento do produto interno bruto dos EUA através de uma melhor educação, assistência médica, fabricação, transporte e muito mais, além de tornar a economia e a sociedade mais resilientes, caso enfrentemos outra crise semelhante. Nesse sentido, esses investimentos oferecem uma rara oportunidade de “win-win”.

Por fim, outros defendem que num momento em que dezenas de milhões de americanos estão desempregados, não podemos dar-nos ao luxo de apoiar políticas para aumentar a produtividade. Isto é totalmente ao contrário. Agora, mais do que nunca, a América precisa de uma produtividade mais elevada para compensar os biliões de dólares em produção perdida. Além disso, como a Information Technology and Information Foundation há muito demonstrou, a investigação económica mostra claramente que não há relação negativa entre crescimento da produtividade e taxas de desemprego ou crescimento do emprego. Aumentar a produtividade aumenta os salários ou reduz os preços, o que gera mais despesa e, por sua vez, cria mais empregos.

* Texto, adaptado da publicação original, de Robert D. Atkinson, Doug Brake, Daniel Castro e Stephen Ezell, sob licença.
Fotografia: GotCredit/CC BY 2.0

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.