Três dos cinco sites mais vistos em Portugal são mais poluentes do que a média testada pelo Website Carbon Calculator.

O abola.pt é mais poluente 79% do que as páginas Web registadas naquele calculadora online. Seguem-se o olx.pt (73%) e o sapo.pt (65%). Dessa lista da SimilarWeb, o idealista.pt consegue uma nota positiva, a ser considerado “mais limpo do que 71% das webpages testadas”, e o portaldasfinancas.gov.pt atinge os 67%.

Em comparação, os sites mais acedidos a nível global revelam resultados positivos, no geral. O Google é 83% mais “limpo” do que a média das páginas Web testadas, embora o seu YouTube seja pior em 72%.

O Facebook consegue ter uma classificação ecológica positiva (com 79%), tal como o Twitter, mas este a ser apenas com 54% mais “limpo” do que a médias das “webpages” testadas. O Instagram não deu qualquer resultado.

Segundo o Website Carbon, “um site produz em média 1,76g de CO2 para cada visualização de página; portanto, um site com 100 mil ‘page views’ por mês emite 2.112 kg de CO2 todos os anos. Quanto mais complexo é um site, mais energia ele requer para carregar – e maior o seu impacto climático”, refere a Wired. À revista, Jack Amend, co-fundador do Web Neutral Project, declara que “a Internet é essencialmente a maior máquina movida a carvão em todo o planeta”.

A calculadora online propõe três acções no imediato para reduzir esse impacto.

A primeira é mudar para um “green host”, uma empresa de armazenamento de dados a usar energia renovável. Depois, propõe a adopção de sites “mais eficientes”, nomeadamente com uma menor utilização de imagens e, quando usadas, diminuir o seu tamanho. Por fim, plantar árvores para reduzir o impacto carbónico.