Desinformação: avisos visuais fortes são ​​necessários para impedir as pessoas de clicar

Um médico sénior encarregado da campanha de anti-desinformação do serviço nacional de saúde britânico (NHS) alertou recentemente que as barreiras linguísticas e culturais podem estar a fazer com que pessoas de minorias étnicas rejeitem a vacina Covid-19. Harpreet Sood disse à BBC que era “uma grande preocupação” e os funcionários estavam a trabalhar muito para alcançar diferentes grupos “para corrigir tantas notícias falsas”.

Parte da desinformação é religiosa para alvos das mensagens que alegam falsamente como as vacinas contêm produtos animais como carne de porco e de vaca, o que vai contra as crenças religiosas de muçulmanos e hindus, respectivamente.

A questão do idioma é fundamental porque a maioria dos avisos sobre desinformação online está em formato escrito. Considere-se a adopção de novos alertas pelo Facebook com o suporte de verificadores de factos independentes, por exemplo. Eles alertam os utilizadores sobre notícias falsas e tentam impedi-los de partilhá-las sem o saber. É certamente um passo na direcção certa. Mas os avisos de texto podem ser facilmente mal interpretados e ignorados. E esse é o problema.

A nossa investigação, que será publicada no final do ano, explora esse problema e examina novas maneiras mais visuais de alertar os utilizadores sobre possíveis desinformações. Para o nosso estudo, manipulámos um design de página padrão do Facebook para desenvolver dez efeitos de visualização diferentes.

Esses efeitos podem ser categorizados em técnicas baseadas em cores ou de “bloqueio” em que o texto é essencialmente destacado, efeitos de desfocar que brincam e alteram o foco do texto e técnicas baseadas em imagens – como uma imagem de vidro quebrado sobreposta ao “post” suspeito. O que era realmente importante para nós era como a imagem poderia ser usada para ajudar as pessoas a decidir o que é ou não desinformação.

A shattered glass warning sign designed by researchers.
O efeito visual de vidro partido

No mundo físico, o design e o uso de sinais de alerta são regulamentados por lei e devem ser seguidas várias normas. Mas online – e particularmente em relação à desinformação – quase não existem padrões de segurança. Portanto, mais atenção precisa de ser dada ao design desses avisos para apoiar e motivar as pessoas a prestar mais atenção à ameaça e ao seu potencial impacto.

O nosso estudo com 550 adultos descobriu que as pessoas prestavam mais atenção aos avisos com visuais assertivos a destacar o texto, como vidro partido ou um efeito de bloqueio.

A Facebook warning where text is covered in a block.
O efeito visual de bloqueio

Para muitos, o efeito de bloqueio alertou claramente sobre perigo iminente, alarme ou infortúnio. Quando perguntámos qual o efeito que a visualização fazia às pessoas questionarem a validade do que estavam a ler, a visualização de bloqueio foi mais eficaz para os homens, enquanto a visualização em borrão funcionou melhor para as mulheres.

O efeito de borrão

Curiosamente, os efeitos de borrão levantaram suspeitas nos participantes e agiram mais como um alerta, para permitir um comportamento cuidadoso e potencialmente mais prudente no Facebook.

Procurando por pistas
As pessoas ainda dependem enormemente de pistas e fraquezas na apresentação de conteúdo online como formas de detectar informações incorrectas. Por exemplo, muitos participantes disseram-nos que observam coisas como erros de ortografia e gramática e falhas na interface (como designs não profissionais) como formas de identificar se algo não está certo. Infelizmente, na era dos ataques sofisticados e convincentes de desinformação, essa técnica pode não ter tanto sucesso quanto se conseguia antes.

Os participantes no nosso estudo sentiram que precisavam de mais ajuda para lidar com a desinformação e muitos mencionaram a necessidade de sinais e avisos fortes. Eles querem ajuda para reconhecer que algo não está certo e para não acreditar.

A desinformação não está claramente a desaparecer. Em 2020, um surto massivo de desinformação sobre o Covid-19 colocou vidas em perigo e dificultou a recuperação. Portanto, é mais importante do que nunca que as pessoas recebam as ferramentas visuais certas para encontrar informações importantes e fiáveis ​​online.

No mundo real, existem sinais fortes ​​que nos alertam sobre o perigo – seja um sinal vermelho de “proibido entrar” numa estrada ou um ponto de exclamação que grita: mantenha-se afastado. Está na altura de “players” importantes como o Facebook, Google e Twitter considerarem como um simples ajuste nos seus designs pode ajudar as pessoas a identificar perigos online.

* Texto de Fiona Carroll, publicado pela The Conversation. Reproduzido sob licença (CC BY-ND 4.0). Fotos: AleksandarLevai/Shutterstock, autora.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.