Funcionários das empresas de tecnologia apoiaram a campanha de Biden

Funcionários de grandes empresas de tecnologia, incluindo a Alphabet, do Google, e o Facebook, canalizaram milhões de dólares para as campanhas dos democratas durante o ciclo eleitoral de 2020 – um movimento que pode valer a pena para quem espera impedir a implementação da regulação da Internet.

O presidente eleito Joe Biden ainda não propôs qualquer legislação relacionada com a tecnologia. Mas Biden já tinha assumido uma posição firme sobre o assunto, pedindo medidas reformadoras, incluindo a revogação da Secção 230 do Communications Decency Act, que estipula que as grandes empresas de tecnologia não são responsáveis ​​pelo conteúdo dos seus utilizadores. O presidente Donald Trump pediu repetidamente a revogação dessa secção na sua disputa contínua com as empresas de media social.

Funcionários das grandes gigantes tecnológicas, incluindo a Alphabet, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft, doaram milhões para várias campanhas democratas no ciclo eleitoral de 2020. Os funcionários das cinco empresas desembolsaram 12,3 milhões de dólares para a campanha de Biden e outros milhões para os democratas em disputas de alto nível no Senado, como o recém-eleito Jon Ossoff e Raphael Warnock. Funcionários de grandes empresas de tecnologia estão entre os principais doadores de cada um desses democratas.

Com a maioria das doações a vir de funcionários da empresa, a Alphabet contribuiu com cerca de 21 milhões de dólares para os democratas no ciclo eleitoral de 2020, e a Amazon com cerca de 9,4 milhões. Facebook, Microsoft e Apple contribuíram com cerca de 6 milhões de dólares, 12,7 milhões e 6,6 milhões para os democratas, respectivamente. A maioria das contribuições de cada uma das grandes empresas de tecnologia foi para candidatos democratas e, excluindo a Microsoft, a campanha de Biden foi a principal receptora, com Ossoff e Warnock entre os dez primeiros. O principal receptor de contribuições da Microsoft foi o Senate Majority PAC, o super PAC afiliado ao líder democrata do Senado, Chuck Schumer. O Democratic National Committee classificou-se entre os três principais destinatários de todas as empresas.

Erik Gordon, professor da Ross School of Business da Universidade do Michigan, disse que, embora a administração Biden e o novo Congresso não sejam completamente “relaxados” com as grandes empresas de tecnologia, eles provavelmente vão atrasar-se a instituir regulações às grandes empresas de tecnologia para para não alienar os seus maiores doadores.

“O movimento clássico é desacelerar as coisas, talvez se façam as audiências mais tarde, mas tem-se pessoas a trabalhar nas notícias”, disse Gordon. “E espera-se que algo mais entre no ciclo de notícias, de modo que desacelerar possa significar que nunca se chegará lá”.

Ele também diz que apesar do controlo dos democratas no Senado, eles “mal estão no poder”.

“Se houver muita oscilação, mesmo uma pequena oscilação… eles podem ficar sem energia novamente”, disse Gordon. “Eles querem o dinheiro, eles querem os comentários favoráveis ​​- não querem daqui a dois anos perder novamente o Senado”.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, expressou apoio à reforma da Secção 230, sugerindo medidas como o aumento da transparência na moderação de conteúdos. O CEO do Twitter, Jack Dorsey, também disse que apoia a reforma da Secção 230, enfatizando a necessidade de maior transparência, bem como a autonomia do utilizador sobre os algoritmos dos conteúdo.

Enquanto figuras-chave do partido de Biden, como a presidente da Câmara [dos Representantes, “House Speaker”], Nancy Pelosi, e a congressista Alexandria Ocasio-Cortez, apoiam a legislação para regular as grandes empresas de tecnologia, Biden permaneceu calado sobre o assunto. Matt Hill, porta-voz da campanha de Biden, recusou-se a comentar os planos do governo Biden em relação aos casos anti-concorrência abertos durante o governo Trump, de acordo com o Wall Street Journal.

Legisladores de ambos os lados políticos também enfrentaram grandes empresas tecnológicas em questões como a anti-concorrência e supostamente sustentaram preconceitos anti-conservadores, uma afirmação refutada por grupos apartidários. A 6 de Outubro, o subcomité judiciário de anti-concorrência da Câmara divulgou um relatório de recomendações para reinar no controlo das grandes empresas de tecnologia após uma investigação de 16 meses sobre a concorrência na indústria da Internet, focando-se na Amazon, Apple, Google e Facebook.

Gordon espera que o governo Biden e o Congresso resolvam processos anti-concorrência movidos contra empresas como a Google e o Facebook – mas com compromissos para evitar incomodar os grandes doadores da tecnologia sem parecer “mais suave com os grandes negócios do que os republicanos”. A legislação que é mais difícil de transigir provavelmente será mais lenta, disse.

“Acho que se verá a desaceleração na Secção 230, porque não há uma maneira de comprometer a sua saída disso como há na questão anti-concorrência, onde você compromete a sua saída [e] parece que ainda é duro com eles, embora tenha se decidido talvez por termos mais fáceis”, disse Gordon.

A 30 de Novembro, uma coligação de 33 grupos de defesa e consumidores pediu a Biden “que exclua executivos, lobistas, advogados e consultores da Big Tech” da sua administração.

“Amazon, Apple, Facebook, Google e Microsoft prometeram em tempos inovação e oportunidade e embora continuem a fornecer muitos produtos notáveis, representam agora sérias ameaças à privacidade, democracia, inovação e bem-estar económico dos americanos”, diz a carta, assinada por grupos incluindo o Public Citizen e os Progressive Democrats of America.

De acordo com a Reuters, alguns grandes executivos da tecnologia estão a procurar cargos de topo na administração Biden, incluindo no Departamento de Comércio. Alguns dos funcionários dessas empresas já ocupam cargos na campanha de Biden. De acordo com o New York Times, “um dos assessores mais próximos de Biden” trabalhou na Apple antes de se juntar à campanha, e o Comité de Política de Inovação de Biden “inclui pelo menos oito pessoas que trabalham para o Facebook, Amazon, Google e Apple”.

Apesar disso, Hill disse em comunicado ao New York Times que Biden continua comprometido em responsabilizar as grandes empresas de tecnologia.

“Muitos gigantes da tecnologia e os seus executivos não apenas abusaram do seu poder como enganaram o povo americano, danificaram a nossa democracia e fugiram a qualquer forma de responsabilidade”, disse Hill ao Times. “Quem pensa que voluntários ou consultores de campanha mudarão o compromisso fundamental de Joe Biden de parar o abuso de poder e se posicionar junto à classe média não conhece Joe Biden”.

Embora o Congresso não tenha aprovado um projecto de lei regulando as grandes tecnologias, as grandes empresas tecnológicas recentemente acentuaram de forma determinada a moderação de conteúdos do utilizador, resultando em protestos públicos dos republicanos e no sentimento dos democratas de que tal acção já deveria ter ocorrido há muito tempo. Após uma multidão pró-Trump invadir violentamente o prédio do Capitólio a 6 de Janeiro, o Twitter suspendeu a conta de Trump por algumas horas, tornando a suspensão permanente a 8 de Janeiro. O Facebook também suspendeu as contas de Trump no Facebook e Instagram indefinidamente, pelo menos até ele sair da presidência.

Outras empresas de tecnologia como Twitch e Snapchat seguiram o exemplo e desactivaram as contas de Trump. A Apple e o Google impediram a Parler, uma plataforma de media social notável pelo uso entre conservadores, nas suas plataformas móveis, enquanto a Amazon retirou a plataforma do seu armazenamento na cloud. O Facebook também disse a 11 de Janeiro que irá banir a frase “stop the steal” da sua plataforma, enquanto o Twitter anunciou um dia depois que suspendeu permanentemente mais de 70 mil contas associadas a conteúdos dos QAnon desde sexta-feira.

* Texto de Krystal Hur, publicado na OpenSecrets, reproduzido sob licença (CC BY-NC-SA 3.0 US).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.