O nevão do falso jornalismo com o Covid

O jogo de casos de caça e morte do Covid atingiu o pico do absurdo, especialmente na cultura dos media.

Leia este “Supermarkets are the most common place to catch Covid, new data reveals“. É uma história sobre um “estudo” organizado pela Public Health England (PHE ou Saúde Pública da Inglaterra) a partir da aplicação NHS Test and Trace. Eis a conclusão: nos seis dias de Novembro estudados, “dos que deram positivo, verificou-se que 18,3% tinham visitado um supermercado”.

Agora, se os alarmes não soam com isso, é porque não prestou atenção à ciência na escola. Se a app também tivesse incluído tomar banho, comer e respirar, poderia ter encontrado uma correlação de 100%. Sim, as pessoas com teste positivo provavelmente fizeram compras, assim como a maioria das pessoas. Isso não significa que ao comprar se infecte com Covid e certamente não significa que comprar mata.

Mesmo que as compras sejam uma forma de apanhar Covid, este é um vírus muito difundido e geralmente leve para 99,8% da população, com uma taxa de mortalidade por infecção de até 0,05% para quem tem menos de 70 anos. Especialistas em doenças infecciosas competentes já disseram várias vezes que estratégias de teste, rastreamento e isolamento são quase inúteis para controlar vírus como este.

Esta história/estudo era tão pobre e absurda que foi demais até para Isabel Oliver, directora do Serviço Nacional de Infecção da PHE. Ela publicou a seguinte nota:

O New York Times (NYT) foi mais longe com este artigo: “States That Imposed Few Restrictions Now Have the Worst Outbreaks”. Se fosse verdade, isso seria uma grande notícia, porque implicaria não apenas que os confinamentos salvam vidas (o que nenhum estudo sério foi capaz de documentar até agora), mas também que a concessão das liberdades básicas às pessoas é a razão para os maus resultados de saúde, uma afirmação surpreendente em si própria.

A notícia, montada por dois artistas gráficos e aparentemente muito científica, fala de “surtos”, o que soa vagamente terrível: repleto de mortalidade. É estranho porque qualquer um pode olhar para os dados e ver que New York, New Jersey, Massachusetts e Connecticut lideram com mortes por milhão, principalmente devido às fatalidades em lares de cuidados de longo prazo. Esses foram os estados que confinaram mais duramente e durante mais tempo. Na verdade, eles estão a confinar novamente! Mortes por milhão em estados como o Dakota do Sul ainda estão no fim na lista.

Como pode o NYT afirmar que os estados que não confinaram têm os piores surtos? A afirmação depende inteiramente de uma descoberta trivial. Alguém inteligente descobriu que, se você refluir os dados com casos por milhão em vez de mortes por milhão, obterá um resultado oposto. Os motivos: 1) quando o Nordeste experimentou o auge da pandemia, havia poucos testes a serem usados, pelo que o “surto” não foi documentado, mesmo enquanto as mortes cresciam e aumentavam, 2) na altura em que o vírus atingiu o Midwest, os testes estavam amplamente disponíveis, 3) a mania dos testes cresceu e cresceu a ponto de os não vulneráveis ​​serem testados como loucos, gerando elevados positivos em áreas de pequena população.

Ao focar a palavra “surto”, o Times pode habilmente obscurecer a diferença entre um resultado de teste PCR positivo (incluindo muitos falsos positivos e talvez metade ou mais casos assintomáticos) e um resultado severo de ser contaminado pelo vírus. Por outras palavras, o Times documentou um “surto” principalmente de pessoas não doentes em áreas de baixa população.

Existem centenas de maneiras de olhar para os dados da Covid-19. O Times escolheu uma métrica – a menos valiosa para realmente discernir se e em que medida as pessoas estão doentes – a fim de gerar o resultado que eles queriam, ou seja, que os estados abertos pareçam tão maus quanto possível. O resultado é um gráfico que deturpa maciçamente qualquer realidade existente. Faz com que os piores estados pareçam óptimos e os melhores, terríveis. O gráfico só por si é construído para fazer parecer que os estados abertos estão a sangrar incontrolavelmente.

Quantos leitores saberão disto? Muito poucos, suspeito. O que é mais surpreendente é que o próprio Times já desmascarou toda a “casedemia” em Setembro:

“Alguns dos principais especialistas em saúde pública do país estão a levantar uma nova preocupação no debate interminável sobre os testes do coronavírus nos Estados Unidos: os testes padrão estão a diagnosticar um elevado número de pessoas que podem ter quantidades relativamente insignificantes do vírus.

A maioria destas pessoas não é provavelmente contagiosa, e identificá-las pode contribuir para engarrafamentos que impedem que aqueles que são contagiosos sejam detectados atempadamente…

Em três conjuntos de dados de teste que incluem limiares de ciclo, compilados por funcionários no Massachusetts, New York e Nevada, até 90% das pessoas com resultado positivo mal tinham qualquer vírus, descobriu uma revisão do The Times”.

Tudo isto faz-nos imaginar o que está exactamente a acontecer nessa relação entre casos e desfechos graves. O Covid Tracking Project gera o seguinte gráfico. Os casos estão em azul, enquanto as mortes estão a vermelho.

Apesar desta história e destes dados, os artistas gráficos do Times começaram a trabalhar gerando uma apresentação altamente enganosa que leva a uma conclusão: mais confinamentos.

Finalmente, vamos lidar com o ataque da Salon ao co-criador da Great Barrington Declaration, Jayanta Bhattacharya. Eis uma peça que fez a seguinte afirmação sobre a taxa de mortalidade por infecção: “o valor aceite de 2 a 3% ou mais”. É um número surpreendente e basicamente louco: 10 milhões de pessoas morreriam nos Estados Unidos apenas.

Aqui está o que o CDC diz sobre os factores de risco extremamente díspares com base na idade:

Estes dados não são inconsistentes com a sugestão da Organização Mundial da Saúde de que a taxa de mortalidade por infecção para pessoas com menos de 70 anos de idade ronda os 0,05%.

O artigo afirma ainda que “a imunidade de rebanho pode nem mesmo ser possível para a Covid-19, uma vez que a infecção parece conferir apenas imunidade transitória”. E, no entanto, o NYT acabou por escrever que:

“Quanto tempo pode durar a imunidade ao coronavírus? Anos, talvez até décadas, de acordo com um novo estudo – a resposta mais promissora para uma pergunta que obscureceu os planos de vacinação generalizada.

Oito meses após a infecção, a maioria das pessoas que recuperou ainda tem células imunológicas suficientes para afastar o vírus e prevenir doenças, mostram os novos dados. Uma lenta taxa de declínio no curto prazo sugere, felizmente, que essas células podem persistir no corpo por muito, muito tempo ainda”.

Como é possível que as pessoas tomem decisões racionais com este tipo de jornalismo a acontecer? Na verdade, às vezes parece que o mundo enlouqueceu por causa de um surpreendente nevão de informações falsas. Na semana passada, um estado inteiro da Austrália fechou-se completamente – colocando todos os seus cidadãos em prisão domiciliar – devido a uma notícia falsa de um caso numa pizzaria. Uma pessoa mentiu e o mundo inteiro desmoronou.

Entretanto, a ciência séria está a aparecer diariamente, mostrando que não há nenhuma relação, e nunca houve, entre confinamentos e vidas salvas.

Este estudo analisa todos os factores relacionados com a morte por Covid e encontra muitas relações entre idade e saúde, mas absolutamente nenhuma relação com a restrição do confinamento. “O rigor das medidas estabelecidas para combater a pandemia, incluindo o confinamento, não parece estar relacionado com a taxa de mortalidade”, diz o estudo, ecoando uma conclusão de dezenas de outros estudos desde o início de Março.

Tudo se tornou demasiado. O mundo está a ser seriamente enganado pelos principais órgãos de media. Os políticos continuam a entrar em pânico e a impor controlos draconianos, após nove meses disto, apesar das montanhas de evidências do dano real que os confinamentos estão a causar a todos. Se não perdeu a fé nos políticos e na grande media até agora, não prestou atenção ao que eles têm feito durante a maior parte deste ano catastrófico.

* Texto de Jeffrey A. Tucker publicado pelo AIER. Reproduzido sob licença (CC BY 4.0). Foto: AIER.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.