Apoio público para a verificação de factos nas redes sociais? Depende a quem e como se pergunta

Neste estudo, analisam-se os dados da investigação original sobre o apoio às empresas de media social para a verificação de factos de políticos em geral e do presidente Trump em particular. Encontrámos uma esmagadora maioria de democratas que apoiam a verificação de factos em ambos os casos, enquanto a maioria dos republicanos apoia a verificação de factos dos políticos em geral, mas não do presidente Trump. Além disso, descobrimos que as pessoas preocupadas com a possível infecção com o Covid-19 são mais propensas a apoiar as verificações de factos. Em vez de ver as verificações de factos como uma cura para tudo, argumentamos sobre a importância de reconhecer as suas limitações e identificar quando e para quem os esforços podem ser eficazes.

Resumo
Fizemos um inquérito experimental na Web por meio do mTurk, plataforma de crowdsourcing da Amazon, para identificar o apoio à verificação de factos a políticos e ao presidente Trump separadamente. Em seguida, empregámos análise estatística para identificar diferenças por identificação partidária e outros factores demográficos.

Descobrimos que a maioria apoiava a verificação de factos com claras diferenças entre democratas e republicanos. O apoio democrata mostra diferenças marginais entre verificações de factos de políticos e do presidente Trump. A maioria dos republicanos apoia a verificação de factos de políticos, mas não de Trump.

A preocupação com a infecção do COVID-19 corresponde ao suporte para verificação de factos com maior efeito entre os republicanos.

As intervenções de verificação de factos funcionam apenas para aquelas pessoas que vêem valor na mesma.

Implicações
Donald Trump fez milhares de declarações factualmente imprecisas no Twitter. Em Maio de 2020, pela primeira vez, o Twitter verificou um tweet de Trump sobre a votação por correspondência. O Twitter também recentemente colocou marcas numa seleção de tweets de Trump que violavam as políticas da empresa. O Facebook, originalmente relutante em agir, anunciou em Junho que adicionaria rótulos a “posts” sobre votações direccionando os utilizadores para informações eleitorais confiáveis. Essas acções geraram novas questões sobre o papel das empresas de media social nas declarações de políticos para checar os factos. Esses debates ganharam importância devido à pandemia COVID-19, pois a desinformação médica pode resultar no prolongamento da pandemia e no aumento do número de mortes.

As verificações de factos de media social podem assumir várias formas, desde a colaboração do Facebook com uma organização terceira para rotular as informações incorrectas e inserir as verificações de factos nesses “posts” até métodos internos do Twitter para categorizar “posts” como enganadores, contestados ou não verificados. Quem deve realizar as verificações de factos e em que capacidade molda ainda mais as percepções, e talvez preconceitos percebidos, do processo? O Quadro 2 fornece um instantâneo das políticas e procedimentos actuais de verificação de factos entre as quatro principais plataformas de media social.

A investigação experimental encontra geralmente uma relação positiva entre o apoio para a verificação de factos e o conhecimento político. No entanto, essa pesquisa raramente aborda que os partidários procuram pontos de vista contrastantes e podem ver as verificações de factos de forma diferente. [Outros investigadores] descobriram não apenas a partilha selectiva de verificações de factos com base nas preferências partidárias, mas também hostilidade em relação às verificações de factos fora do grupo, especialmente entre os republicanos. Isso pode ser devido a análises de verificações de factos rotulando as alegações de políticos republicanos de falsas numa taxa mais alta do que as suas contrapartes democratas.

Portanto, a verificação de factos pode influenciar apenas aqueles que já vêem valor e credibilidade no processo dessa verificação.

Apesar das implicações normativas positivas da verificação de factos, esperávamos diferenças de opinião sobre a verificação de factos com base no partidarismo e se os políticos ou Trump foram especificamente alvos de verificação de factos. Além disso, o papel da desinformação em relação ao COVID-19 pode aumentar o suporte para a verificação de factos . Por exemplo, o presidente Trump afirmou que 99% dos casos Covid-19 eram inofensivos e fez 654 declarações falsas sobre a pandemia durante as primeiras 14 semanas da pandemia, pela contagem da CNN.

Apesar das nobres intenções, há pouca evidência de que as verificações de factos mudem o apoio aos candidatos e, em vez disso, possam levar os republicanos a desconsiderar ou a rejeitar os esforços como ataques partidários. Isso poderia produzir mais rancor partidário e fazer com que a verificação de fatos fosse contraproducente na tentativa de melhorar o discurso político geral. As nossas evidências sugerem que, para algumas pessoas, os esforços de verificação de factos de políticos podem nunca funcionar. No entanto, preocupações específicas sobre saúde e segurança, como a infecção por Covid-19, podem aumentar o interesse nas verificações de factos nas redes sociais. No entanto, elas por si só, mesmo se limitadas a questões de saúde pública, provavelmente não são suficientes para corrigir a desinformação se as fontes e a imparcialidade das próprias verificações de factos estiverem em disputa.

Resultados
Este estudo investiga as verificações de factos conduzidas internamente por plataformas de media social e o apoio a esses esforços com base no partidarismo, o objectivo dos esforços de verificação de factos e a preocupação com a infecção por COVID-19. Isso inclui três descobertas importantes sobre a extensão do apoio aos esforços de verificação de factos.

1: os democratas apoiam mais as verificações de factos em geral, enquanto o apoio entre os republicanos cai quando o foco está em Donald Trump. (…)

2: Pessoas preocupadas com a infecção por Covid-19 eram estatisticamente mais propensas a apoiar as verificações de factos. (…)

3: Os efeitos do enquadramento da verificação de factos e a preocupação com a infecção por Covid-19 permanecem após considerar factores demográficos e pólos ideológicos.

* Texto original publicado pela Misinformation Review (CC BY 4.0). Foto: geralt (CC BY-SA 2.0).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.