Leonel Moura está a expor algumas das suas pinturas robóticas no âmbito da exposição “Immaterial/Re-material: A Brief History of Computing Art”, no Ullens Center for Contemporary Art (UCCA) em Pequim.

A Fundação Ullens “visa apoiar a produção de obras de artistas digitais e impulsionar a promoção de uma área das artes que ainda não é suficientemente reconhecida. Na era digital global, o computador tornou-se no principal meio artístico dos artistas mais criativos e inovadores do nosso tempo”.

Pioneiro da aplicação da inteligência artificial (e da robótica) na arte, Moura integra a colecção Ullens com obras realizadas desde 2004.

A sua primeira criação algorítmica data de 2001. Cinco anos depois, apresentou o Robotic Action Painter (RAP), um “robô-desenhador” que está em exibição no American Museum of Natural History, em Nova Iorque. O Robotarium, “o primeiro zoo dedicado a robôs e à vida artificial”, foi inaugurado em 2007.