25 anos de Windows 95 mas será que ainda pode ser re-utilizado?

O sistema operativo Windows 95 foi lançado pela Microsoft na segunda quinzena de Agosto de 1995.

O sucessor do Windows 3.1 teve algumas curiosidades no seu lançamento, como a inserção do novo menu “Start” que serviu como base à campanha publicitária de lançamento, com a banda sonora de “Start Me Up”, dos Rolling Stones.

Notável foi também a omissão do lançamento generalizado do browser Internet Explorer para servir a ambição da Microsoft em “destruir a Netscape“.

Outra curiosidade mas nacional foi o lançamento da revista Exame Informática, cujo tema de capa versava precisamente sobre o então novo sistema operativo, cujo suporte foi terminado pela Microsoft a 31 de Dezembro de 2001.

A sua instalação em macOS, Linux e em versões do Windows mais recentes pode ser efectuada a partir deste ficheiro no GitHub.

Esta é uma das dificuldades para quem pretende manter viva uma história da informática. Ao fim de uma simples década, estará ainda o código de um programa pronto a ser re-utilizado?

O desafio passa por congregar a documentação perdida e os ambientes obsoletos, como procuram os criadores do “Ten Years Reproducibility Challenge“, Nicolas Rougier (INRIA) e Konrad Hinsen (CNRS).

Este “desafia os cientistas a encontrar e re-executar código antigo, para reproduzir trabalhos de computação publicados há dez ou mais anos“.

Na sua lista de características de reprodução (“reproducibility checklist”), os autores assumem ser “impossível garantir a reprodutibilidade computacional ao longo do tempo” mas algumas “estratégias” podem maximizar esses objectivos, desde uma documentação a explicar o funcionamento do código de programação aos testes, armazenamento em arquivos como o GitHub ou o Zenodo, Figshare e Software Heritage (estes últimos são mais estáveis a longo prazo) ou a uma verificação da “portabilidade do código executando-o numa variedade de ambientes de computação”.

[act.: Software Aging: “Programs, like people, get old. We can‘t prevent aging, but we can understand its causes, take steps to limits its effects, temporarily reverse some of the damage it has caused, and prepare for the day when the software is no longer viable”]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.