A tecnologia e o célebre dissidente desaparecido

A tecnologia tem um efeito estranho sobre a dissidência. Em toda a Internet, debates enfurecidos e novas vozes são ouvidas, criando a impressão de que a liberdade de expressão está viva e bem. Mas as inovações que permitem essas discussões também podem sufocá-las. A recente experiência chinesa em torno do Covid-19 é um exemplo assustador, com jornalistas online a desaparecerem após documentarem o surto e a “polícia da Internet” a investigar centenas por alegadamente terem declarações politicamente inaceitáveis. Embora isso ecoe a experiência com anteriores regimes autoritários, uma diferença importante é a falta de vozes famosas da oposição. O vácuo é um subproduto infeliz do impacto da tecnologia no debate político, especificamente a maneira como ocorre e como é consumida.

O dissidente pró-democracia como celebridade global foi uma invenção definidora do final do século XX. A fama dos media massificados dos dissidentes atraiu apoio e dissuadiu a opressão. Por exemplo, o concerto de 1988 para Nelson Mandela no Estádio de Wembley (Londres), realizado enquanto estava encarcerado na prisão de Pollsmoor, foi transmitido para 67 países e visto por cerca de 600 milhões de espectadores. O arcebispo Trevor Huddleston, líder anti-“apartheid”, disse mais tarde que o concerto “ajudou a gerar as pressões que garantiram a libertação de Nelson Mandela”.

Os dissidentes soviéticos também foram ajudados pela sua fama. Em “Lenin’s Tomb“, o livro de David Remnick sobre a queda da União Soviética, o cientista e defensor dos direitos humanos Andrei Sakharov é descrito como “o exemplo moral dominante do seu tempo e lugar”. A sua celebridade pode ter salvo a sua vida, como documentos divulgados pelo KGB mostram que a liderança soviética considerou o seu elevado perfil ao debater o seu destino. A atenção prestada a líderes como Mandela e Sakharov era inegavelmente importante.

Infelizmente, os dissidentes de hoje são comparativamente ignorados. Quem é tão famoso como Mandela e Sakharov? Ninguém. Mas não faltam candidatos merecedores. Em 2019, havia 250 jornalistas presos em todo o mundo e mais de 1.500 presos políticos detidos ou presos apenas na China. Se nos preocupamos com os direitos humanos e a democracia, essas são as pessoas que devemos destacar. Como Ian Johnson escreveu em “Wild Grass”, um estudo sobre os dissidentes chineses, “o impulso pela mudança vem principalmente de pessoas que raramente ouvimos falar: o advogado de uma cidade pequena que decide processar o governo, o arquitecto que defende os proprietários desapropriados, a mulher que tenta expor a brutalidade policial”. Isso poderia ter sido escrito em 1952 sobre um advogado chamado Nelson Mandela ou em 1970 sobre um electricista chamado Lech Walesa. Mas Mandela e Walesa não permaneceram anónimos.

Quem é tão famoso como Mandela e Sakharov? Ninguém.

Uma possível razão para a diminuição da visibilidade dos dissidentes é a globalização económica. A China estava relativamente isolada e agora é o maior fabricante e exportador do mundo. A Rússia está muito mais economicamente integrada do que a sua antecessora soviética. Isso é significativo – foi mais fácil condenar uma Alemanha Oriental que baniu os jeans do que criticar um parceiro comercial importante.

Mas uma explicação melhor é que a tecnologia tem um impacto líquido negativo sobre a dissidência em nações autoritárias.

Quando os críticos acedem aos fóruns da Internet, eles são facilmente identificados e suprimidos. As discussões online são censuradas usando pesquisas de palavras-chave, computadores e telefones são monitorizados regularmente e os governos usam o controlo da infra-estrutura da Internet para filtrar informações. Activistas chineses tentam arquivar “posts” sobre o Covid-19 antes que eles desapareçam completamente. Compare isso com a durabilidade das denúncias amplamente divulgadas por Vaclav Havel do governo da Checoslováquia e da imprensa soviética dissidente, a chamada “samizdat“. As máquinas de escrever eram simplesmente melhores defensores do que os computadores.

Perante esta opressão, frequentemente desviamos o olhar. Ocasionalmente, uma pessoa ou causa será uma sensação para os media. Mas continua a ser fácil demais prender um político, advogado ou jornalista sem que ninguém o noticie.

Provavelmente, este é um produto do ritmo acelerado das notícias na era da Internet, o que minimiza eventos importantes.

Segundo um estudo recente, a maioria das histórias sobre política, eleições e guerra são seguidas durante menos de cinco dias. Como resultado, é difícil chamar a atenção para uma causa como a dissidência, como se pode ver de Hong Kong a Xinjiang à Hungria e a Moscovo.

Para resolver estes problemas, devemos revisitar os dissidentes célebres do passado e a nossa resposta a eles. Embora existam muitas organizações não-governamentais dedicadas e servidores públicos a trabalharem para promover os direitos humanos, os autoritários têm geralmente vantagem. Mas, mesmo que a Internet fracture a nossa atenção, ela fornece-nos as ferramentas para uma melhor comunicação. Se focarmos novamente a nossa abordagem em relação aos dissidentes pró-democracia, as campanhas de hoje poderão chegar a milhões mais rapidamente do que com Mandela. Isso pode ser alcançado por meio de um esforço direccionado da sociedade civil para entender como os líderes do passado se destacaram, identificar novos líderes com os quais estabelecer parcerias, elevar o perfil desses líderes e determinar quais os activos organizacionais necessários. O sucesso nessas frentes promoveria a democracia e protegeria as pessoas que a defendem.

Há apenas alguns meses, os manifestantes de Hong Kong agitaram a bandeira americana a pedir a nossa ajuda. Agora eles foram presos durante a pandemia. Devemos-lhes a eles e a muitos outros em todo o mundo a nossa atenção.

* Texto original de Ben Holzer, publicado na Undark. Foto: oldeani0/Good Free Photos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.