Elevador é o mais recente bloqueio para regressar ao trabalho

Quando a American Medical Association mudou a sua sede para um famoso arranha-céus de Chicago em 2013, a vista do chão ao tecto do espaço de conferências do 47º andar foram um motivo de venda espectacular.
Agora, esses vislumbres do rio Chicago no marco concebido por Ludwig Mies van der Rohe, conhecido como AMA Plaza, têm um problema: usar o elevador na época do COVID-19.

Antes o epítoma da eficiência para mover massas de pessoas rapidamente para onde elas precisavam ir, o elevador é a antítese do distanciamento social e um afunilamento de multiplicação dos riscos. Quando os EUA começam a abrir-se, o mais novo enigma para os empregadores nas cidades é como transportar pessoas com segurança em elevadores e gerir a multidão de pessoas que esperam por eles.

Se os funcionários das torres de escritórios querem manter-se seguros, os especialistas em elevadores acham que têm conselhos, alguns práticos, outros não: mantenha-se no seu canto, fique de frente para as paredes e use palitos de madeira (para carregar nos botões). Esses especialistas não voltaram apenas a estudar modelos matemáticos para mover as pessoas mas também criaram tecnologias como ferramentas de desinfecção por luz ultravioleta e painéis activados por voz.

“Quando há risco de a doença se transmitir de humano para humano, continuar a manter um sistema de transporte vertical limpo e seguro é fundamental para ajudar as pessoas a regressar ao trabalho e a uma vida segura”, disse Jon Clarine, chefe de serviços digitais da Thyssenkrupp Elevator.

Afinal, a maioria dos elevadores são espaços fechados e intrinsecamente apertados que mal podem acomodar duas pessoas espaçadas com segurança a um metro e meio, muito menos a dúzia ou mais que os elevadores de edifícios comerciais e residenciais conceberam para receber. Eles são um campo minado de botões e de tentadoras superfícies para tocar. A circulação de ar é limitada ao que alguns respiradouros e as portas de abertura podem gerir. Além disso, eles são geralmente usados durante a manhã, a hora de almoço e à noite.

A boa notícia é que, embora a transmissão da infecção seja possível se as pessoas deixarem gotículas respiratórias do vírus no elevador, o tempo gasto numa viagem é curto, diz o especialista em doenças infecciosas Steven Lawrence, da Washington University School of Medicine em St. Louis. Ainda assim, segundo ele: “está-se numa caixa pequena”.

Para mitigar estes riscos, enfatizam os especialistas em elevadores, os utilizadores devem usar máscaras, resistir a tocar as superfícies o máximo possível e usar itens como lenços descartáveis ​​ou, de facto, os referidos palitos para tocar nos botões. Além disso, usar desinfectante para as mãos com frequência. Os Centers for Disease Control and Prevention recomendam limitar o tempo nos elevadores e subir escadas unidireccionais, sempre que possível, além de se manter um metro e meio de distância.

Karen Penafiel, directora executiva da associação comercial National Elevator Industry, também recomenda que as pessoas fiquem de frente para as paredes do elevador e não conversem para minimizar a propagação de gotículas respiratórias que podem transmitir o coronavírus.

“Faz sentido quando se pensa nisso, mas é tão contrário a todo o protocolo social com o qual fomos criados”, refere Penafiel. “Não é confortável”.

Mas o maior problema dos escritórios de arranha-céus na cidade para as residências pode ser a recomendação de Penafiel e de outros especialistas para limitar o número de passageiros a quatro por forma a acomodar o distanciamento social na maioria das viagens de elevador – um em cada esquina. Isso cria um desafio logístico para gestores e empregadores em edifícios que têm milhares de pessoas a moverem-se dentro de um único edifício.

A Beacon Capital Partners, proprietária da AMA Plaza, planeia limitar os seus elevadores a quatro passageiros de cada vez, refere a porta-voz da empresa, Maureen Richardson. O mesmo vale para o One World Trade Center, com mais de 90 andares, na cidade de Nova Iorque, e para as cerca de 8.000 pessoas que trabalham no local, disse Jordan Barowitz, porta-voz da Durst Organization, que supervisiona a administração do icónico arranha-céu.

Reduzir o número de pessoas a movimentarem-se num edifício por viagem – nalguns casos até dois terços – significa que as pessoas vão esperar e esperar, amontoadas no “lobby”, tossindo, espirrando e falando alto. “É aí que se vai ter as filas”, aponta Chris Smith, vice-presidente de marketing e estratégia de produtos da fabricante de elevadores Otis Elevator, usando de forma optimista uma palavra que sugere uma fila ordenada.

Não é de admirar que os clientes de Smith tenham telefonado sem parar sobre o engarrafamento para o elevador. Por isso, os funcionários da Otis simularam para os clientes como os tempos parados antes do início do dia de trabalho e o espaçamento entre funcionários podem ajudar a diminuir o fluxo de tráfego.

Tudo se resume a matemática. Num dia normal, mais de 3.000 pessoas trabalham no edifício da AMA de 52 andares. Com apenas quatro passageiros por vez, o que equivale a cerca de metade de um elevador geralmente lotado, que se traduz em cerca de 750 viagens de elevador todas as manhãs sendo lançadas a partir de 24 elevadores (sem contar as viagens feitas por elevadores de carga separados).

O Langham, um hotel de luxo que ocupa os primeiros 13 andares do edifício, colocará uma placa com gráficos no hall de entrada do elevador para incentivar o distanciamento social, informou a porta-voz Deepika Sarma. Os funcionários do hotel estão a analisar possíveis sinais adesivos para os pisos dos elevadores, indicando onde ficar e a exigir que os passageiros usem máscaras.

Outro inquilino do AMA Plaza, a WeWork, cujo modelo de negócios depende de pessoas que alugam o seu espaço de escritório, colocará sinalização indicando distâncias seguras nas entradas para os elevadores nos seus andares, além de dispensadores sem contacto de desinfectante para as mãos. O CEO da WeWork, Sandeep Mathrani, disse à CNBC que 40% dos seus locais ocupam espaço de escritório suficientemente baixos dentro dos edifícios para que as pessoas possam subir as escadas.

Mas subir, digamos, 36 lances de escada não é uma opção para a maioria das pessoas. (Os corredores de topo de escadas demoram cinco minutos a cobrir tantos andares. Uma pessoa com condicionamento físico médio demora até 25 minutos.) E as escadas não são viáveis ​​em edifícios de qualquer altura para pessoas com deficiências físicas ou problemas de mobilidade ou quando se carregam cargas pesadas.

Certamente, quem mora em arranha-céus já está a enfrentar essas questões – seja em prédios de luxo com recursos ou em unidades habitacionais públicas.

Porém, à medida que mais escritórios vão reabrir, a Otis e a Thyssenkrupp foram inundadas por telefonemas de clientes pedindo novas tecnologias para ajudá-los a gerir esses novos desafios provocados pelo coronavírus. A indicação de destino, na qual os funcionários podem passar um cartão-chave num dispositivo que notifica o elevador para onde precisam de ir, teve uma onda de interesse devido ao seu controlo sem toque – e durante a pandemia, os elevadores foram reprogramados para limitar a carga de peso para um número menor de passageiros.

Outras ofertas de produtos incluem ligar para o elevador por telemóvel, adesivos antivirais para os botões do elevador, elevadores com porteiro, serviço expresso para cada viagem de elevador, sistemas de purificação por luz ultravioleta e até botões de elevador que os ciclistas podem activar com os pés, a sua voz ou gestos com as mãos.

Para reduzir a necessidade de tocar nos botões, refere Smith, da Otis, os elevadores podem ser colocados no modo “serviço de sábado” [“Sabbath service”], onde automaticamente vão a todos os andares – um serviço oferecido há décadas para aqueles cuja religião dita que não mexem em aparelhos eléctricos em certos dias.

Novos negócios concebidos para tornar os elevadores mais seguros estão a aparecer. Há mais de dois meses, Philip Rentzis ajudou a fundar a Ashla Systems, que vende sistemas de luz ultravioleta concebidos para elevadores semelhantes aos usados ​​para matar vírus de instrumentos hospitalares. Pelo menos 100 prédios já se inscreveram para instalar a tecnologia, disse ele, em parte porque os proprietários dos edifícios estão aterrorizados com os custos a longo prazo em manter os seus novos regimes de limpeza rigorosos.

Michael Rogoff, presidente da empresa de administração residencial Akam Living Services, na cidade de Nova Iorque e no sul da Flórida, refere que alguns dos seus funcionários estão a limpar os elevadores mais de uma vez por hora – ou mesmo após cada uso. Quando os moradores reclamam que não deveriam pagar pelas comodidades comuns que não podem usar, ele aponta para os novos custos da limpeza.

“A limpeza e desinfecção do elevador está num nível totalmente novo do que era anteriormente”, diz Rogoff.

Mas, mesmo que as empresas avaliem o seu conjunto de opções de elevadores, emergem duras realidades de quão desafiador será mover a força de trabalho para onde ela precisa de estar, nota Clarine, da Thyssenkrupp.

“Vai-se atrapalhar o fluxo de tráfego no prédio, mas por quanto tempo se deseja que isso seja um inconveniente antes de se tornar uma interrupção?” questiona. “Trata-se de ajudar os clientes a gerir riscos e alguns querem fazê-lo mais do que outros”.

Por enquanto, a American Medical Association diz planear permitir que os seus cerca de 1.000 funcionários regressem aos escritórios aproximadamente 30 dias após os líderes municipais e estaduais suspenderem o confinamento em casa. As ordens da cidade foram aligeiradas a 3 de Junho.

A fase inicial de retorno ao trabalho da associação começará com “aproximadamente 10% dos funcionários de forma voluntária”, de acordo com uma declaração do assessor de media da associação, Robert Mills. Ainda não está claro quando – ou como – será capaz de levar o resto dos funcionários para os seus escritórios.

* Texto original de Lauren Weber, publicado na KHN (CC BY-NC-ND 4.0). Imagem e fotos: Hannah Norman (KHN), Flickr (CC BY 2.0)/Scott, e Jaysin Trevino, Leonardo Beraldo (CC BY-NC-SA 2.0).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.