O Future Today Institute (FTI) revelou há dias o seu “2020 Tech Trends Report“. A 13ª edição deste relatório aborda questões como a década sintética, com versões sintéticas da vida a serem desenvolvidas (e não se trata apenas de gémeos digitais), modelos disruptivos para os negócios de AI-as-a-Service e Data-as-a-Service, ou melhorias auditivas em realidade virtual – conhecida por “audio augmented reality” ou AAR.

Ao nível individual, quem está dentro da matriz digital – e está-se desde que se nasce… – contribui com dados para resultados na tomada de decisões. Como caminhamos para “o fim do esquecimento” digital, este deverá ser o ano em que as entidades reguladoras se vão interessar mais em detalhe por estes resultados, acompanhando a “explosão” de equipamentos domésticos como o Alexa e de outros equipamentos produtores de “emissões digitais”.

A China deverá dar grandes passos para ser a líder económica, criando “uma nova ordem mundial”, acompanhando uma “nova economia da confiança”, nomeadamente com a capacidade de desmontar os vídeos deepfakes e outros conteúdos manipulados.

O futuro deverá ter um novo complexo tecno-militar, “usando dados e algoritmos como poderosas armas”.