O conceito foi popularizado no ano passado, com uma experiência da Microsoft no Japão.

Agora, várias empresas em diferentes partes do mundo estão a experimentar essa “ideia radical [da] semana de trabalho de quatro dias“.

Nova Zelândia, Rússia, Estados Unidos são alguns dos países interessados neste modelo. Nos EUA, um senador quer diminuir a semana de trabalho para 32 horas, enquanto o primeiro-ministro russo Dmitry Medvedev apoia a proposta parlamentar da semana de quatro dias de trabalho, acompanhdos por políticos no Reino Unido e Finlândia.

Na Nova Zelândia, desde há dois anos, a empresa Perpetual Guardian tem sido apontada como exemplo a seguir neste modelo, que contribuiu para baixar os níveis de stress dos funcionários.