Os três Fs dos media

Está o sector dos media nacional em crise? Os números não o demonstram embora as suposições tendam para esse cenário.

Para o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o sector dos media nacional atravessa uma crise grave, explicou no encerramento da Conferência sobre o Financiamento dos Media.

A situação é muito agravada pelas plataformas digitais Google e o Facebook, com “70% da publicidade” captada actualmente por essas empresas tecnológicas. “Aos media nacionais cabem 30%, difíceis de medir”, escreveu o deputado José Magalhães.

Na realidade, essas suposições são desmentidas pelo trabalho “O Mercado Publicitário em Portugal – Prospetivas gerais e cenários de futuro“, do Obercom:

Em 2017, essa percentagem variava entre os 8,1% e os 20,4%, consoante as fontes citadas.

Um outro gráfico é mais interessante e mostra a repartição do investimento publicitário por meio:

Assim, entre 2014 (com 511,4 milhões de euros) e os 586,6 milhões apontados para 2018, todos os meios crescem excepto a imprensa, que perde 33,6 milhões de euros – quase tanto como a televisão, que aumenta a sua quota para 29,2 milhões de euros. O “bolo” total cresce para 74 milhões e a Internet aumenta 63,7 milhões. Outra fonte, a confirmar os dados para 2017, encontra-se neste “Estudo sobre o Impacto do Setor Publicitário em Portugal“.

Em Junho de 2018, antecipava-se que o mercado publicitário português deveria chegar nesse ano aos 610 milhões de euros, segundo o grupo IPG Mediabrands. A televisão liderava com “um peso elevado (46%), representando 281 milhões de euros este ano”, enquanto “o peso do digital deverá atingir os 29% no final deste ano, continuando a crescer a forte ritmo (19%), e atingindo os 170 milhões de euros”.

Para 2019, estimava-se que “o mercado publicitário nacional passará a valer 640 milhões de euros“, com a televisão “a representar a maior parte do total das receitas: 280 milhões de euros”, e o investimento a “aumentar 18% em 2019, atingindo 204 milhões de euros”.

Perante estes números, vale a pena perguntar:
1) está o sector em crise ou o investimento está a ser mal aplicado dentro das organizações de media?
2) é mesmo verdade que Facebook e Google capturam as referidas quotas do mercado publicitário ou este cenário só existe para elas apregoarem uma preponderância que não têm? E, em simultâneo, estão os media a deixar – ou a querer – enganar-se para alegarem o estado de crise e poderem obterem financiamentos?

Falsidades dos editores e das plataformas
Após o encerramento do Google News em Espanha, em 2014, a News Media Alliance veio posteriormente alegar que essa decisão não tinha sido prejudicial para o tráfego global nos sites espanhóis. O El País era dado como exemplo, crescendo dos 8,5 milhões de visitores únicos mensais em Outubro de 2014 para os 16,5 milhões em Dezembro de 2015.

O que a organização se “esqueceu” de referir foi que 2015 foi um ano bastante preenchido em termos noticiosos, com eleições regionais e na Catalunha, por exemplo.

Em paralelo, existe um óbvio falhanço das redes sociais nos media – que chega ao ponto do alegado desinteresse do Facebook em ser media. A legislação norte-americana para a comunicação social é mais apertada do que para as redes sociais, o que explica a tardia alegação de que a plataforma tecnológica é “responsável pelo conteúdo“, apenas assumida por Mark Zuckerberg em Abril de 2018.

Estas plataformas sempre tentaram entrar no mercado dos media: em 2014 surgiu o Facebook Paper, a que se seguiu o Facebook Instant Articles, desaprovado pelos media. Agora surgiu o Facebook News, com cerca de 200 editores que parecem não ter aprendido a lição de se envolverem com as plataformas.

Noutro sentido, a Google lançou o Accelerated Mobile Pages (AMP) mas a sua aposta com os media passou mais por os financiar através da Digital News Initiative (DNI).

Em conjunto, ambas as plataformas já investiram mais de 300 milhões de dólares nos media. A relação é criticada por alguns, questionando se os jornalistas devem aceitar financiamento de uma empresa que noticiam. Para mais, este financiamento ocorre após elas terem entrado no domínio dos media e cativado receitas publicitárias, num confronto directo com a comunicação social.

Esta está finalmente a “acordar” para a relação perniciosa que quis manter com as redes sociais, acreditando ingenuamente que ao ceder as suas notícias por cliques iria aumentar tráfego e publicidade. Isto realmente ocorreu mas para as plataformas digitais, pelo que com um abandono dos media das redes sociais seja de esperar uma acção mais enérgica do Facebook, para manter o seu crescimento lucrativo.

Esta relação foi uma “bolha” e uma “distracção” que está a terminar para os títulos mais sérios, como se explica no recente estudo “Platforms and Publishers: The End of an Era“. A tendência dos editores para fazerem retornar as suas audiências aos seus sites é visível desde 2018, afastando-se da diluição da sua marca noutras.

O regresso ao controlo publicitário é outra tendência, como antecipa a saída do jornal Público do projecto Nónio (financiado pela DNI).

Novo ecossistema de media mais móvel
A evolução foi rápida, nomeadamente nos EUA, quando após 2004 as ligações de banda larga ultrapassaram as de “dial-up”, dinamizando novos negócios com a maior rapidez e conteúdos mais “ricos” na Web.

O 3G surge em 2003, o iPhone em 2007 (com 3G no ano seguinte), a que se seguiu a disseminação do sistema operativo Android. Em 2018, pela primeira vez, a principal fonte de leitura para os norte-americanos passou de ser a imprensa para os medias sociais (20% contra 16% para a imprensa).

Actualmente, o utilizador está em média diária quatro horas a olhar para o smartphone, a maior parte em sites de media sociais, num consumo mensal médio de 8 GB de dados que podem evoluir para 200 GB em 2025. Mas se Google e Facebook lideram este consumo, a verdade é que os títulos mais acedidos são dos media: seis no top 10 nos EUA e no Brasil, baixando para cinco no Reino Unido.

Em sentido contrário, a publicidade na imprensa norte-americana continua em queda, atingindo apenas 17,3 mil milhões de dólares em 2013, o valor mais baixo desde 1950, quando eram 37,6 mil milhões de dólares em 2008 e 56,9 mil milhões cinco anos antes.

Ao contrário do que parece suceder em Portugal, quando se agregam os diferentes meios, da imprensa ao digital, o mercado total nos EUA tem vindo a encolher. Em 2013, era apenas de 23,5 mil milhões de dólares, o valor mais baixo desde 1954.

Curiosamente, esse mercado (sem integrar as assinaturas digitais do The New York Times, The Washington Post e The Wall Street Journal) já estava a dar sinais de decréscimo antes do online se impor:

O problema para a democracia
O decréscimo dos títulos de media e de jornalistas tem sido apontado como preocupante. Se antes se presumia que o despedimento de jornalistas “tradicionais” seria substituído pela nova geração de profissionais preparados para o digital, isso não tem acontecido.

Na referida conferência sobre financiamento dos media, o presidente do Conselho de Administração do Observador notou como o sector da comunicação social “já há muito tempo que não é saudável” porque “não escrutina o suficiente, nem tem, em muitos casos, profissionais ‘suficientemente bem preparados’, tendo em conta que as próprias empresas não têm recursos para isso”, disse António Carrapatoso.

Nos EUA, o número de jornalistas no digital mais do que triplicou na última década mas não se compara ao número de despedidos e até estabilizou porque há menos meios onde trabalhar. “Em 2005, por cada jornalistas para o digital, havia 20 jornalistas de imprensa“, enquanto em 2015 esse rácio era de um para quatro.

Assim, encontrar “talentos” para as redacções tem-se revelado mais difícil.

Perante este cenário, que também afecta Portugal, o que pretende fazer Nuno Artur Silva, secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media? Continuar a apostar em modelos já testados, como investir em áreas de acção como a imprensa local e regional e a de âmbito nacional, no plano nacional de literacia mediática, em campanhas de sensibilização dos cidadãos, na elaboração de uma estratégia de acompanhamento e desenvolvimento do sector. Além disso, “avaliar” medidas”como as que dizem respeito à oferta de assinaturas ou às deduções fiscais das assinaturas”, após “analisar os custos e os seus impactos efectivos”.

Os modelos parecem encaixar na visão do director-geral de informação da Impresa, Ricardo Costa, que vê “com desconfiança” as ajudas directas do Estado à comunicação social, porque a independência jornalística “deve andar a par” da económica, disse, citado pelo DN.

O que fazer, então? Um novo relatório do Reuters Institute for the Study of Journalism “What can be done? Digital Media Policy Options for Europe (and beyond)” aponta algumas opções para a Europa, que passam pela liberdade, financiamento e futuro (os três Fs de “freedom, funding and a future”).

Algo que parece certo neste ecossistema é que media e plataformas digitais irão conviver, pelo que existe uma necessidade de revelar dados fiáveis sobre as suas actividades, para que decisores possam assumir iniciativas bem fundamentadas e se diminua a desinformação nesta relação.

Actualização: a Entidade Reguladora para a Comunicação Social divulgou o “retrato económico-financeiro” dos media nacionais relativo a 2018 num documento datado de Outubro passado mas só disponibilizado ao público no início de Dezembro de 2019.

Segundo a ERC, quase 70% das empresas de media obteve resultados líquidos positivos e 74% um EBITDA também positivo.

Diz o comunicado da entidade reguladora: “2018 constituiu mais um ano desafiador, em que menos de metade (42%) das empresas proprietárias de órgãos de comunicação social registados na ERC apresentou crescimento de receitas de exploração. Quando se analisa a informação por segmento, conclui-se que foram as empresas de Rádio e Publicações que mais contribuíram para baixar este resultado.

No entanto, quando se observa um grupo composto pelas maiores empresas do setor verifica-se que, em média, as receitas cresceram 6,9% e que 62% das empresas incluídas neste grupo reportaram crescimento. Pode ainda concluir-se que cerca de 69% das empresas proprietárias de órgãos de comunicação social apresentaram resultados líquidos positivos e 74% delas apresentaram Resultados Operacionais ou Resultados Antes de Custos Financeiros, Impostos, Depreciações e Amortizações (EBITDA) também positivos.

A alavancagem permaneceu elevada, uma vez que a proporção de capitais próprios em relação aos ativos continuou abaixo dos 50% na grande maioria das empresas. Esta evidência é mais flagrante quando se autonomiza do todo o grupo das maiores empresas do setor, em que a proporção de capitais próprios no ativo foi, em média, 39%, o que significa que 61% do ativo foi financiado com capitais alheios.

Em termos de rentabilidade dos capitais próprios, o panorama é muito diversificado, no entanto, a média do grupo de empresas maiores situou-se em torno de 12%.

Da análise conduzida pela ERC constata-se que 37% dos proprietários de órgãos de comunicação social têm como principal atividade económica outra que não a de comunicação social.

As empresas do setor são, na generalidade, de pequena dimensão. Quando se observa a dimensão do ativo verifica-se que 51% das entidades que reportaram indicadores financeiros relativos à atividade de comunicação social apresentou um ativo inferior a 100 mil euros.

A 31 de dezembro de 2018, existiam ativas no setor, 1770 publicações periódicas, 267 empresas jornalísticas, 293 operadores de radiodifusão, 87 serviços de programas distribuídos exclusivamente pela internet, 25 operadores televisivos, nove operadores de distribuição de televisão (STVS) e uma empresa noticiosa.

A análise setorial conduzida pela ERC incidiu sobre a informação reportada pelos regulados”.

Uma opinião sobre “Os três Fs dos media”

  1. https://arstechnica.com/tech-policy/2015/07/new-study-shows-spains-google-tax-has-been-a-disaster-for-publishers/

    In the short-term, the study found, the law will cost publishers €10 million, or about $10.9 million, which would fall disproportionately on smaller publishers.

    The NERA analysis found a 6 percent overall drop in traffic from the Spanish Google News closure and a 14 percent drop for smaller publications. Those numbers are slightly smaller than a GigaOm analysis from last year, which found traffic drop-offs of 10 to 15 percent.

    One effect of the law, noted by the NERA study, is that it isn’t just search giants like Google that have been affected. Some smaller Spanish aggregators, such as Planeta Ludico, NiagaRank, InfoAliment, and Multifriki, shut down entirely, as noted in Techdirt’s analysis of some of the Spanish parts of the report.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.