Onde estará o escritório em 2030? Em casa, provavelmente

O teletrabalho deve ser considerado pelas empresas que pretendem reter os seus maiores talentos ou correm o risco de os ver partir para alternativas laborais que facilitam essa opção.

95% dos trabalhadores do conhecimento querem fazê-lo de forma remota e 74% estão dispostos a trocar de emprego para o conseguirem fazer, revela um estudo da tecnológica Zapier.

Um pouco menos, cerca de dois terços dos 880 inquiridos nos EUA, acredita que o escritório tradicional estará obsoleto para a maior parte das funções em 2030.

As principais razões para a escolha do teletrabalho são a poupança de dinheiro (quase metade – 48% – escolheu-a como primeira razão), a possibilidade de trabalhar em qualquer lugar (47%), estar mais tempo com a família (44%) e mais de um terço acreditar ser mais produtivo a trabalhar em casa. Apenas 23% aponta a sustentabilidade ambiental como razão para a opção de trabalho remoto.

Embora tenha menos oportunidades para o conseguir, o segmento feminino é mais adepto do teletrabalho do que o masculino.

Actualização com dados sobre Portugal: Em quatro anos, a percentagem de trabalhadores a fazê-lo a partir de casa aumentou mais de 70% desde o segundo trimestre de 2015 – quando eram 68.300 e passaram para um total de 120 mil no segundo trimestre deste ano, revela o jornal ECO, a partir de dados revelados pelo INE.

A maioria tem mais de 45 anos e “é na zona Norte (39%) que há mais portugueses a trabalharem a partir de casa e na Área Metropolitana de Lisboa (31,2%)”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.