A plantação de mais árvores e plantas junto de fontes poluentes contribui para reduzir a poluição do ar, mais do que instalar tecnologias caras.

Investigadores da Ohio State University (OSU) apontam que a aposta neste tipo de estratégia permite obter uma média de eficácia da ordem dos 27%. Além de poder ser uma solução mais barata, revela como não é necessário “colocar tecnologia em tudo”, sintetiza Bhavik Bakshi, principal autor do estudo “Nature-Based Solutions Can Compete with Technology for Mitigating Air Emissions Across the United States” e professor de engenharia química e biomolecular na OSU. São “oportunidades potencialmente mais baratas e melhores em termos ambientais”.

O estudo foi efectuado em 48 estados dos EUA e a média obtida a partir de análises dessas regiões, tão diferentes como o deserto do Nevada ou os condados mais agrícolas do Ohio.

“No que estamos interessados é basicamente assegurar que a engenharia contribui positivamente para o desenvolvimento sustentável”, refere Bakshi.