Nunca tal tinha acontecido desde o aparecimento das consolas: há seis anos no mercado e as consolas Xbox One (Microsoft) e PS4 (Sony) ainda não foram “crackadas”.

Em “Guarding Against Physical Attacks: The Xbox One Story“, Tony Chen argumenta que, apesar delas serem concebidas para evitar a pirataria dos jogos, todas conseguiram ser modificadas para esse objectivo.

O responsável da Microsoft falava na Platform Security Summit (PSEC 2019), que decorreu no início do mês em Redmond (EUA), e recordou que “esta é a primeira vez que as consolas de jogos estiveram tanto tempo sem serem ‘crackadas’ para facilitar a pirataria”. Aparentemente, há quem corrobore esta afirmação.