A possibilidade de misturar imagens de diferentes origens para criar um resultado em vídeo diferente do original não é recente e denominava-se de “morphing“.

Mas era uma técnica cara e apenas acessível à indústria audiovisual. Agora, generalizou-se e está a ser usada até para integrar a face de personagens conhecidas em filmes pornográficos ou noutras situações potencialmente problemáticas.

Este vídeo explica o problema, derivado do fácil acesso à tecnologia, e as suas implicações práticas:

[actualização, via Electronic Frontier Foundation: “We Don’t Need New Laws for Faked Videos, We Already Have Them“]