A IBM e a Maersk vão criar uma nova empresa para gerir o transporte marítimo, usando a tecnologia blockchain, e aumentar a segurança de todo o processo de expedição de cargas.

O objectivo é “desenvolver uma plataforma de digitalização do comércio mundial, construída em conjunto a partir de padrões abertos e desenhada para todo o ecossistema do transporte marítimo, proporcionando mais transparência e simplicidade aos processos de expedição e acompanhamento de mercadorias entre diferentes fronteiras e zonas comerciais”, dizem em comunicado.

A IBM já antes desenvolveu projectos de blockchain com a Maersk mas também com a Walmart, Nestlé, Unilever e outras, enquanto a transportadora dinamarquesa o fez com a Microsoft ou a EY.

O controlo do processo de transporte marítimo é essencial para a segurança dos navios, tendo em conta os casos recentes de ataques – nomeadamente aos sistemas GPS de cargueiros, que os podem levar para emboscadas e consequente roubo de mercadorias.

Por outro lado, outras empresas de transporte marítimo já foram atacadas, com “vários milhões de dólares” a serem transferidos para contas de hackers.

Em Junho do ano passado, após o ataque NotPetya, várias empresas de transporte marítimo tiveram problemas e a própria Maersk revelou que o incidente lhe poderia custar 300 milhões de dólares de perdas potenciais nos lucros.