Os políticos que mais usam as redes sociais têm mais probabilidades de obter fundos e donativos dos seus apoiantes. Esta é a conclusão do “primeiro estudo a quantificar o retorno financeiro das campanhas nos media sociais”, feito com dados sobre as eleições para o Senado dos EUA em 2016.

O impacto financeiro ocorre quando existe um maior empenho dos candidatos nas redes sociais mas também quando se abordam certos temas. Outro dado para essa eleição foi que os candidatos usaram mais o Twitter do que o Facebook.

O estudo “Social Media, Money, and Politics: Campaign Finance in the 2016 US Congressional Cycle” cruzou dados dos conteúdos publicados no Facebook, Twitter, Google Trends, Wikipedia e as doações registadas na Federal Election Commission (FEC).

Realizado por investigadores da britânica University of Oxford, o estudo visava analisar os 108 candidatos mas só o fez para 83 porque os outros 25 não devem ter atingido o valor mínimo 5.000 dólares em donativos ou despesas que obrigam ao registo na FEC.

Em resumo, e apesar dos utilizadores das redes sociais serem uma minoria, a participação nos media sociais e o foco em certos tópicos facilita a obtenção de fundos para as campanhas dos candidatos eleitorais.