Mara Faccio e John McConnell, da norte-americana Purdue University, analisaram o impacto do jogo Pokémon Go nos acidentes rodoviários em Tippecanoe County, no estado do Indiana, e concluíram existir um “aumento desproporcionado” desses eventos num dado espaço de tempo.

Lançado a 6 de Julho de 2016 nos EUA, o jogo móvel obriga a passar por certas localizações, os PokéStops, e isso pode ser feito enquanto se conduz um veículo. Outros pontos de acesso, os Gyms, são acessíveis apenas a andar.

É pela comparação dos eventos junto de ambas as localizações que os investigadores afirmam em “Death by Pokémon GO” ter existido uma relação entre acidentes rodoviários e o jogo.

Os investigadores antecedem a sua análise alertando que o número desses acidentes tem aumentado desde 2011, explicando que tal se pode dever ao uso do telemóvel enquanto se conduz – apesar de já estarem disseminados antes desse ano.

O trabalho estima que 8.505 acidentes (danos nos veículos, acidentes com humanos e mortes) ocorreram entre 1 de Março de 2015 e 6 de Julho do ano passado, e 2.850 após essa data e até 30 de Novembro de 2016. Nestes 148 dias, “encontrámos um aumento significativo de acidentes perto de PokéStops”, escrevem.

A análise em Tippecanoe County, onde se situa a Purdue University (que conta 40 mil pessoas para uma população global de 188 mil), tem ainda em conta que a data de lançamento do jogo ocorreu durantes as férias lectivas, podendo existir mais viagens em automóvel.

No entanto, o número de acidentes não cresceu da mesma forma em zonas onde existiam os Gyms.