Preocupação com ataques nas campanhas políticas

Um exército de “trolls” russos conseguiu ser citado mais de 80 vezes nos media tradicionais ingleses, antes de o Twitter os ter identificado e banido. A Internet Research Agency é, alegadamente, o nome desse grupo e o problema não se limita à rede social Twitter.

Uma investigação do jornal Guardian permite ter preocupações sobre como este grupo pode entrar tão facilmente nos media, e assim “ter disseminado as suas mensagens a uma mais vasta audiência do que conseguiria só no Twitter”.

Em Espanha, o Strategic Communications Centre of Excellence (StratCom) da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) alertou como as redes russas com “milhares de contas automáticas” (“bots”) nas redes sociais “focaram a sua actividade na Catalunha”, aproveitando a tentativa de independência catalã. [act.: “El Kremlin pagó a El País y a otros medios por difundir propaganda rusa hasta 2016“]

Há poucos dias, a StratCom dizia que esse tipo de “bots” eram responsáveis por quase “70% de todas as mensagens russas sobre a OTAN nos estados bálticos e Polónia”.

A “dezinformatsiya”, criada nos tempos do KGB

Num outro estudo revelado no início de Novembro, “Digital Hydra: Security Implications of False Information Online“, a StratCom analisou os impactos da desinformação nos media sociais e quais os seus efeitos para a segurança das sociedades.

A desinformação consiste na “falsidade da informação e na clara intenção de enganar. O termo foi modelado a partir de ‘dezinformatsiya’, um termo russo inicialmente criado pelo KGB para referir o uso de informação falsa ou de outra forma enganadora que é fornecida de propósito a audiências seleccionadas para influenciar o seu comportamento”, diz o centro da OTAN.

No sentido de diminuir este tipo de acções nos EUA, a Harvard Kennedy School editou um “Cybersecurity Campaign Playbook“, trabalho que visa garantir uma “informação mais segura [perante] adversários que pretendam atacar” as campanhas partidárias.

As cinco principais recomendações passam por uma maior atenção à cibersegurança, usar serviços na cloud, autenticação de dois factores em todos os acessos a contas importantes, ter “passwords” mais fortes e, por fim, ter um plano de contingência em caso de ataque.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.