Imagens de pacotes de pastilhas elásticas, sapatos, logótipos, relógios pessoais, chaves do automóvel ou de uma tatuagem podem servir como validação de dois factores para desbloquear o telemóvel. Mas alguns objectos, como o relógio iWatch ou uma lata de refrigerantes, não devem ser usados, por serem demasiado genéricos e facilmente descobertos.

O projecto de investigação Pixie demonstra ser possível usar o smartphone ou outro dispositivo com uma videocâmara para usar esta como um factor de validação no acesso aos equipamentos. Como a imagem é armazenada localmente, nem sequer se coloca o problema de vulnerabilidades na transmissão da mesma pelas redes.

Segundo os investigadores da Florida International University e da Bloomberg, os 42 participantes que usaram o sistema em três sessões durante oito dias, o Pixie teve melhores resultados do que passwords de texto em termos de memorização, velocidade e preferência do utilizador.