A Privacy International confirmou que milhões de contas de utilizadores de redes sociais são analisadas pela agência de espionagem britânica GCHQ.

O acesso às mesmas é efectuado através das bases de dados das empresas e é partilhado com governos e autoridades estrangeiras.

A partilha de dados pessoais ao abrigo do “Privacy Shield” foi elogiada esta semana pela Comissão Europeia, a propósito do primeiro relatório anual das relações de transferência de dados pessoais para efeitos comerciais com os EUA.

Tudo isto sucede quando a Comissão Europeia pretende aprovar um sistema de interoperabilidade de identificação electrónica (eID) para as plataformas electrónicas.

As linhas principais da iniciativa, que devem estar finalizadas no final deste ano (após validação a 29 de Novembro), pretendem que “os cidadãos e negócios sejam capazes de usar os seus eID nacionais para aceder a serviços online noutros países” da União Europeia.

Em paralelo, o site belga dos Big Brother Awards mostra como alguma informação constante nos cartões de identificação pessoal é completamente desnecessária mas resulta de um interesse cada vez maior em criar perfis com dados individuais cada vez mais personalizados.