Juntas, as empresas GAFA (Google, Apple, Facebook e Amazon) conseguem agora resultados financeiros três vezes superiores aos da conjugação entre a Microsoft, com o seu sistema operativo Windows, e a Intel (Wintel) e mais seis vezes do que a IBM.

Podem-se fazer outras leituras sobre os mesmos dados mas “escala é escala”, como escreve Benedict Evans, analista da empresa de investimento Andreessen Horowitz.

Retirando desta equação a China, as GAFA “têm muitos mais funcionários e investem muito mais”. E, ao olhar para a “timeline” da Wintel ou das GAFA, estas têm uma diferença acelerada de 10 vezes mais no domínio temporal .

“Ser uma grande empresa tecnológica significa agora algo diferente do que no passado”, constata Evans, e o mercado consegue albergar quatro “gigantes” agressivos e cooperantes entre si – até porque o núcleo forte do seu negócio não se sobrepõe. Quanto às margens desses negócios ou ao perfil dos seus fundadores (só a Apple não tem um fundador original), é uma outra conversa.