A manipulação de imagens é “mais frequente e mais sofisticada”, afirma Hany Farid, do Dartmouth College, à revista Nature, considerando que se sente actualmente “mais preocupado” com a evolução desta tecnologia.

O investigador, cujos serviços são requeridos por meios de comunicação social, revela como existe uma escassez de quadros académicos no sector, e que está igualmente a ser solicitado em tribunais ou em investigações internas em universidades.

É “uma corrida às armas”, diz Farid. Ele considera que, “em cinco ou 10 anos”, a tecnologia de manipulação de vídeo será “muito boa”. O recente projecto de manipulação de um discurso de Barack Obama é apenas um exemplo premonitório.