Os jornalistas querem opções diferentes de formação daquelas que as empresas fornecem. Por exemplo, 52% querem formação em jornalismo de dados mas apenas 40% das empresas o fazem.

Esta é apenas uma das constatações do recente inquérito “The State of Technology in Global Newsrooms“, realizado pela Georgetown University para o International Center for Journalists (ICFJ), com mais de 2.700 respostas de jornalistas de muitos países.

Outras mostram como os dados analíticos são raramente vistos, apesar de os mesmos serem usados de forma mais consistente pelos interessados em captar publicidade.

Entre outros resultados do inquérito, como a afirmação da juventude nas redacções, o ICFJ diz que procurava “responder a uma questão crítica: os jornalistas estão a acompanhar a revolução digital? Apesar de grandes avanços na alavancagem de novas tecnologias, concluímos que a resposta é não”.