A recente actualização pela Apple do seu browser Safari permite uma maior protecção dos dados de navegação dos utilizadores.

A Electronic Frontier Foundation considera mesmo que, apesar do desgosto dos anunciantes publicitários, a empresa tomou a decisão acertada para proteger a privacidade dos utilizadores.

As críticas do sector publicitário – esquecendo que a medida foi adoptada pela Apple desde o Safari 5.1, em 2010… – apontam para um ataque ao “motor” da Internet e dão vantagem à Google e ao Facebook.

O uso deste tipo de “cookies” é questionado há muito e surgiram até formas de os desactivar no Internet Explorer, Firefox ou Chrome.

Agora, o “cookie” de terceiros desaparece ao fim de 24 horas e as marcas interessadas na privacidade vão poder “ouvir os seus clientes“.